Acompanhe:

Baixa na equipe econômica: secretário da reforma administrativa se demite

Wagner Lenhart pediu demissão para iniciar "um novo ciclo pessoal e profissional", diz, em nota

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ministro da Economia, Paulo Guedes (Adriano Machado/Reuters)

Ministro da Economia, Paulo Guedes (Adriano Machado/Reuters)

A
Alessandra Azevedo, de Brasília

Publicado em 12 de março de 2021 às, 17h33.

O Ministério da Economia perdeu mais um quadro importante nesta sexta-feira, 12. O secretário de Gestão e Desempenho Pessoa, Wagner Lenhart, um dos principais responsáveis pela reforma administrativa, anunciou a saída do cargo. O motivo, segundo nota divulgada pela pasta, é "o início de um novo ciclo pessoal e profissional".

No lugar de Lenhart, assume o atual secretário-adjunto, Leonardo Sultani. "Comunico meu pedido de exoneração do cargo de Secretário de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia. Com a proximidade do nascimento do meu primeiro filho e o início de um novo ciclo pessoal e profissional, entendo que é o momento de fazer a sucessão na Secretaria", diz a nota.

Lenhart deve passar a trabalhar na iniciativa privada. Segundo ele, a reforma administrativa continuará andando, mesmo com a troca na Secretaria. "Nossa gestão sempre considerou fundamental repensar a administração pública, propondo um modelo mais digital, moderno e focado no cidadão", afirma.

O pedido de demissão de Lenhart foi anunciado pouco depois da saída do então secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest), Amaro Gomes. No início de março, em meio a reações negativas do mercado a respeito da ingerência do governo em estatais, ele também pediu para deixar o cargo, mas afirmou que a saída já era programada.

Reforma administrativa

O texto da reforma, enviado em setembro de 2020 pelo governo, com a participação de Lenhart, ainda não foi votado no Congresso. A proposta prevê mudanças no serviço público, como o fim da estabilidade para a maioria das carreiras e revisão de benefícios, como licença-prêmio e progressão de carreira baseada apenas em tempo de serviço.

Ao ser eleito presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) apontou a reforma administrativa como uma das prioridades da Casa. No fim de fevereiro, o deputado afirmou que a proposta poderia ser votada em dois meses. As novas regras, segundo ele, só valerão para novos servidores.

 

Últimas Notícias

Ver mais
100 prefeitos vão a Brasília pressionar governo contra aumento de contribuição previdenciária
Brasil

100 prefeitos vão a Brasília pressionar governo contra aumento de contribuição previdenciária

Há 11 horas

Ouro sobe e fecha acima de US$ 2.100, com investidores de olho em Powell e payroll
seloMercados

Ouro sobe e fecha acima de US$ 2.100, com investidores de olho em Powell e payroll

Há 14 horas

Bukele vence eleições municipais, último elo do poder em El Salvador
Mundo

Bukele vence eleições municipais, último elo do poder em El Salvador

Há 22 horas

Pacheco se opõe a Lira e diz ser contra PEC que proíbe operações no Congresso
Brasil

Pacheco se opõe a Lira e diz ser contra PEC que proíbe operações no Congresso

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais