Brasil

Ato de filiação de Marta Suplicy ao PT deve receber cerca de mil pessoas

O ato será dinâmico e com pronunciamentos breves, de acordo com petistas envolvidos na organização

Passada a cerimônia de filiação, Boulos e Marta já combinaram o primeiro ato juntos da pré-campanha (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Passada a cerimônia de filiação, Boulos e Marta já combinaram o primeiro ato juntos da pré-campanha (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 1 de fevereiro de 2024 às 11h17.

A cerimônia de filiação de Marta Suplicy ao Partido dos Trabalhadores (PT), na próxima sexta-feira, 2, deve receber cerca de mil pessoas, a capacidade máxima do salão da Casa de Portugal. O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, a chefe nacional da sigla, deputada federal Gleisi Hoffmann, e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, devem discursar. O deputado federal Guilherme Boulos e a ex-prefeita também deverão ter um momento de fala no encontro.

O ato será dinâmico e com pronunciamentos breves, de acordo com petistas envolvidos na organização. A data escolhida foi combinada com Lula, que fazia questão de estar presente.

Passada a cerimônia de filiação, Boulos e Marta já combinaram o primeiro ato juntos da pré-campanha. A dupla decidiu que o bairro de Parelheiros, localizado no extremo sul da cidade, sediará o encontro, que deve ser amplo, com a presença e participação da população. Chamada de "Martalândia", a região é estratégica por ser o reduto eleitoral da ex-prefeita. A data do encontro ainda não está definida.

Além disso, para depois do carnaval, os dois estão organizando uma plenária com os movimentos sociais. Trata-se de um encontro menor e com pessoas mais específicas.

Retorno ao PT

Foi o presidente Lula que convenceu Marta a retornar ao PT, partido que deixou após mais de 30 anos de filiação. No inicio de janeiro, o petista chamou a ex-prefeita para uma conversa no Palácio do Planalto. Após o diálogo, ela topou retornar a legenda e ainda ser a vice na chapa de Guilherme Boulos.

Para viver esta empreitada, porém, a ex-prefeita precisou pedir demissão do cargo de secretaria Municipal de Relações Internacionais da gestão do prefeito Ricardo Nunes (MDB), que tenta a reeleição e é o principal adversário de Boulos. Marta explica que tomou a iniciativa com o objetivo de acabar com o bolsonarismo na capital.

Acompanhe tudo sobre:EleiçõesPT – Partido dos TrabalhadoresMarta SuplicyGuilherme Boulos

Mais de Brasil

STJ elege Herman Benjamin como próximo presidente; saiba quem é

Alckmin diz que Lula tem razão em cobrança, mas pondera que já atua junto ao Legislativo

Região Sudeste terá anticiclone nesta terça; entenda fenômeno e veja a previsão

Lula critica pressão por corte de despesas e diz que 'tudo no Brasil é tratado como gasto'

Mais na Exame