Brasil

Após novo apagão, Enel restabelece energia na região do Mercadão de SP

Importantes vias do centro da capital paulista enfrentam a falta de energia desde quinta-feira

Mercado de São Paulo, localizado na região central da capital paulista (Eduardo Frazão/Exame)

Mercado de São Paulo, localizado na região central da capital paulista (Eduardo Frazão/Exame)

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 5 de abril de 2024 às 16h20.

Última atualização em 5 de abril de 2024 às 16h53.

Depois de amanhecer novamente às escuras nesta sexta-feira, 5, a região do Mercado Municipal de São Paulo teve a energia elétrica reestabelecida, informou a distribuidora Enel. Segundo o comunicado da empresa, a queda de energia ocorreu devido ao furto de cabos na rede subterrânea que alimenta o bairro.

Desde a tarde desta quinta-feira, 4, as ruas do Centro da capital paulista vinham sofrendo com a falta de energia. A interrupção teve início por volta das 15h30 e impactou principalmente as vias da Cantareira e Miguel Carlos. Este é o segundo episódio de falta de eletricidade na região em menos de um mês.

Diante da situação, a Enel afirmou que está empenhada em evitar novos cortes no fornecimento de energia e menciona que "em razão do furto do cabo, o sistema pode apresentar oscilações pontuais até a conclusão dos reparos que estão sendo realizados no momento". A empresa também ressaltou que disponibilizou geradores para fornecer energia a parte da população afetada.

Na quinta-feira, o Procon de São Paulo anunciou a aplicação de mais uma multa à Enel, totalizando R$ 12.914.591,84, devido às falhas no fornecimento de energia no Centro, cobranças indevidas e falta de resposta a uma notificação anterior do órgão.

Multa do Procon por apagão de 9 dias no centro

Entre as infrações destacadas pelo Procon-SP, a mais significativa foi a falta de energia na Santa Casa, localizada no bairro de Vila Buarque, em março. No mesmo mês, os bairros da região central ficaram vários dias sem eletricidade devido a um problema na rede subterrânea da Enel.

A interrupção no fornecimento de energia resultou em perdas para os comerciantes, que viram suas mercadorias estragarem, e dificultou o trabalho remoto para os moradores. As áreas mais afetadas em março foram a Rua 25 de Março, Bela Vista, Consolação, Higienópolis e Campos Elíseos.

O edifício Copan, por exemplo, localizado no centro da cidade, também enfrentou problemas de falta de energia. Muitos pacientes, inclusive de outras regiões do estado, perderam consultas e procedimentos, em razão da falta de energia na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Em comunicado emitido em março, a Enel destacou a complexidade do trabalho na rede subterrânea, devido às condições de temperatura e aos espaços confinados necessários para o acesso. “Equipes da companhia seguem trabalhando nos reparos da rede para normalizar integralmente o serviço. A companhia também tem mobilizado geradores para abastecer os clientes impactados enquanto atua nos reparos na rede elétrica”, disse a empresa.

(Com informações de O Globo)

Acompanhe tudo sobre:Enelsao-pauloEletricidadeApagão

Mais de Brasil

Base de Canoas passará a ter dez voos por dia, anuncia governo

Paraná Pesquisas: em SP, Nunes tem 28,1%; Boulos, 24,2%; Datena, 12,1%; e Tabata, 9,1%

O que abre e o que fecha em SP no feriado de Corpus Christi

Mais na Exame