9 livros para refletir sobre a questão racial no Brasil

Nesse feriado do Dia da Consciência Negra, EXAME reuniu alguns livros que convidam a uma reflexão sobre o tema essencial para o país

São Paulo — A questão da raça, do racismo e da cultura negra são indissociáveis de qualquer discussão sobre a identidade brasileira e inspiraram algumas das obras mais importantes da nossa literatura.

Nesse feriado do Dia da Consciência Negra, EXAME listou alguns livros que convidam a uma reflexão sobre um dos temas mais importantes do país:

Um defeito de Cor, de Ana Maria Gonçalves, de 2006 (Record, 952 páginas, R$ 99,90)

O livro conta a história de uma africana idosa, cega e à beira da morte, que viaja da África para o Brasil em busca do filho perdido há décadas. É a recriação ficcional da história de Luísa Mahin, mãe do poeta Luís Gama, que participou da Revolta dos Malês, na Bahia.

A obra acompanha toda a trajetória de Kehinde, personagem principal, desde que ela foi raptada na África e trazida como escrava ao Brasil, até a busca pelos filhos, o desenvolvimento de sua religiosidade, a obtenção da carta de alforria e o retorno à África.

Ana Maria Gonçalves é uma ex-publicitária, que pediu demissão para se dedicar aos romances.

O quarto do despejo – diário de uma favelada, de Carolina de Jesus, de 1960 (ed. Ática, 200 páginas, R$ 47,00)

O livro é o diário autobiográfico de Carolina, uma catadora de papéis, semi-analfabeta, negra, pobre e favelada.

O diário registra fatos importantes da vida social e política do Brasil, iniciando-se em 1955 e terminando em janeiro de 1960. O livro traz tanto impressões pessoais quanto das condições miseráveis de vida em uma favela.

A autora é, até hoje, considerada uma das mais importantes escritoras negras do Brasil. Passou boa parte da vida morando na favela do Canindé, em São Paulo. É um dos livros brasileiros mais conhecidos no exterior, mas ainda não tão celebrado por aqui.

Na minha Pele, de Lázaro Ramos (Editora Objetiva, 152 páginas, R$ 37,90)

Lázaro Ramos divide com o leitor suas reflexões sobre temas como ações afirmativas, gênero, família, empoderamento, afetividade e discriminação.

Quem tem medo do feminismo negro?, de Djamila Ribeiro (Editora Companhia das Letras, 152 páginas, R$ 29)

O livro reúne um longo ensaio autobiográfico e uma seleção de artigos publicados pela filósofa e militante Djamila Ribeiro no blog da revista CartaCapital, entre 2014 e 2017.

Muitos textos falam de situações do cotidiano como o aumento da intolerância às religiões de matriz africana ou os ataques a celebridades como a repórter da Globo, Maria Júlia Coutinho, Maju, ou a tenista Serena Williams.

Ela também aborda temas como os limites da mobilização nas redes sociais, as políticas de cotas raciais e as origens do feminismo negro nos Estados Unidos e no Brasil, além de discutir a obra de autoras de referência para o feminismo, como Simone de Beauvoir.

Olhos d’água, de Conceição Evaristo, de 2014 (ed. Pallas, R$ 25)

É um livro de quinze contos que refletem sobre a pobreza, a miséria, a desigualdade social, a violência e a vida de mulheres, negros, favelados e outras diversas personagens envolvidas nesses contextos em dilemas sobre o amor, a vida e a ancestralidade africana.

Tudo isso muito conectado com a vivência da própria autora: Conceição Evaristo é uma mulher negra de pais desconhecidos que nasceu em uma favela da zona sul de Belo Horizonte (MG). Ela dividia sua juventude entre o trabalho como empregada doméstica e os estudos, conseguindo concluir o curso normal somente aos 25 anos.

Mudou-se para o Rio onde foi aprovada em um concurso público para magistério e estudou letras na UFRJ. O livro ganhou o prêmio Jabuti em 2017 na categoria contos.

O Genocídio do negro brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado, de Abdias Nascimento, de 1978 (ed. Perspectiva, 232 páginas, R$ 45,00)

Uma das maiores referências na defesa dos direitos dos negros no Brasil, mesmo após sua morte, Abdias Nascimento sobrepõe testemunhos pessoais, reflexões e críticas, opondo-se ao discurso oficial sobre a condição do negro e desconstruindo o mito da “democracia racial”.

Abdias foi exilado do Brasil durante a ditadura, e, depois da anistia, atuou como deputado e senador. Ele foi um dos principais idealizadores do dia 20 de novembro como Dia da Consciência Negra.

Lugar de Negro, de Lélia Gonzalez e Carlos Hasenbalg, de 1982 (Ed. Indez, R$ 180).

A historiadora, ativista e professora Gonzales foi uma das fundadoras do Movimento Negro Unificado (MNU) e do coletivo de mulheres negras Nzinga.

Neste livro, em parceria com o sociólogo Carlos Hasenbalg, ela relaciona o modelo econômico militar com o papel reservado à população negra e fala de classe e racismo, entre outros temas.

Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil, de Sueli Carneiro, de 2011 (ed. Selo Negro, 192 páginas, R$ 29)

Entre 1999 e 2010, a ativista e feminista negra Sueli Carneiro – fundadora do Geledés Instituto da Mulher Negra – produziu inúmeros artigos publicados na imprensa brasileira.

O livro, que reúne alguns dos melhores, é um convite à reflexão e mostra como o o racismo e o sexismo estruturam as relações sociais e políticas do país.

A Redução Sociológica, de Guerreiro Ramos, de 1965 (ed. Ática, 273 páginas, R$ 82,90)

A principal preocupação de Guerreiro Ramos era ser um sociólogo inserido e atuante na sociedade. Neste livro, ele defende uma sociologia engajada, que consiga romper a condição da cultura colonizada dos negros.

A obra busca difundir e apoiar os valores que são inerentes às tradições dos diferentes grupos sociais, principalmente os negros.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.