Brasil

47% defendem inelegibilidade de Bolsonaro e contrários são 43%, aponta Genial/Quaest

A pesquisa ainda questionou quem Bolsonaro deveria apoiar nas urnas, caso seja impedido de disputar as eleições

Bolsonaro nos EUA (Paul Hennessy/Anadolu Agency/Getty Images)

Bolsonaro nos EUA (Paul Hennessy/Anadolu Agency/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 22 de junho de 2023 às 13h37.

Última atualização em 22 de junho de 2023 às 13h38.

Os brasileiros estão divididos sobre o resultado do julgamento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) iniciado nesta quinta-feira 22, que poderá tornar o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) inelegível por oito anos. Segundo levantamento da Genial/Quaest, de junho, 47% dos brasileiros defendem a condenação do ex-chefe do Executivo, enquanto 43% desaprovam.

A pesquisa ainda questionou quem Bolsonaro deveria apoiar nas urnas, caso seja impedido de disputar as eleições. O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), aparece no topo da lista com 21% dos votos; seguido da ex-primeira-dama, Michelle Bolsonaro (PL), com 15% e do governador de Minas Gerais Romeu Zema (Novo), com 11%.

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho e articulador político do ex-presidente, aparece na quarta posição, com 4%. Uma parcela de 27% diz que nenhum deles deve ter o apoio de Bolsonaro. Outros 21% não souberam responder e 1% defendeu que o ex-chefe do Executivo deveria apoiar outros nomes.

A pesquisa da Genial/Quaest entrevistou 2.029 pessoas com idade de 16 anos ou mais, de forma presencial, entre os dias 15 e 18 de junho, em 120 municípios. O nível de confiança é de 95% e a margem de erro é de 2,2 pontos porcentuais, para mais ou para menos.

Acompanhe tudo sobre:Pesquisas eleitoraisJair Bolsonaro

Mais de Brasil

PL dos jogos de azar será um marco para o turismo e pode movimentar R$ 100 bi, diz relator

Como é calculado o IPVA? Veja a conta

Justiça condena Lula e Boulos por propaganda antecipada em ato de 1º de Maio

Lula diz que deve sancionar PL que legaliza jogos de azar caso seja aprovado no Congresso

Mais na Exame