Coca-Cola mostra como ser sustentável com inteligência e impacto social

O mestre em economia, Maurício F. Bento, analisa os benefícios da parceria entre a Coca-Cola e o metrô do Rio

A partir de janeiro de 2021, a estação de metrô de Botafogo, no Rio de Janeiro, passa a se chamar Botafogo / Coca-Cola. A multinacional, dona de uma das marcas mais famosas do mundo, firmou parceria com o metrô do Rio para a compra dos chamados “naming rights”. A escolha da estação se deu pela sua proximidade com a sede da empresa, que fica na praia de Botafogo.

O metrô é um excelente meio de transporte para grandes metrópoles: tem alta capacidade e capilaridade, sendo portanto um meio de transporte muito eficiente e sustentável. Cada novo cliente do metrô pode significar um carro a menos no já congestionado trânsito carioca, além de diminuir o consumo de energia, a emissão de carbono e a poluição.

Por outro lado, cada estação de metrô possui um alto custo de construção e manutenção, sendo necessário um grande número de passageiros diários para que a operação seja economicamente viável. Nesse sentido, é muito positivo que as concessionárias busquem fontes alternativas de receita que não apenas passagens e subsídios do orçamento público, para que o cidadão não seja demasiadamente onerado.

Numa era em que toda empresa diz querer ser sustentável, a Coca-Cola mostra como fazer isso de forma inteligente e com alto impacto social. O investimento da empresa na estação de Botafogo não é apenas um investimento na divulgação de sua marca, como também um investimento na melhoria de um meio de transporte de massa, popular e sustentável.

A Coca-Cola e o metrô do Rio dão exemplo às demais grandes cidades em como parcerias com o setor privado podem elevar o nível dos serviços públicos prestados à população de forma responsável e sustentável.

Outras cidades podem e devem seguir o exemplo, a começar por São Paulo, a maior metrópole do país. Quem sabe a capital paulista não passa a contar com a estação Conceição / Itaú na linha azul ou Oscar Freire / Nubank na linha amarela? Bom para a cidade, para as empresas, para os usuários e para o meio-ambiente.

Por Maurício F. Bento. Graduado e mestre em economia, tem passagens pelo Cato Institute e pelo Charles Koch Institute em Washington, DC. Atualmente, atua na Escola Paulista de Contas Públicas ‘Presidente Washington Luís’ e na Property Rights Alliance.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.