A transformação digital começa com a mudança de mindset

Como reagir às mudanças num mundo em que é necessário se adaptar rapidamente às tendências de mercado?

Quase 90% das empresas mais ricas do mundo em 1950 já não existem mais. Você já deve ter ouvido falar desse dado em algum artigo ou palestra sobre inovação e tecnologia. Mas o que é pouco falado e discutido são os motivos que levaram as gigantes de meados do século passado a sumirem do mapa.

O mundo está mudando cada vez mais rápido, o mercado está cada vez mais volátil e dinâmico e o consumidor mais exigente.  A velocidade com que surgem novos canais, sistemas, dados e processamento de informação é exponencial e, portanto, aqui vai a dura verdade: se você não está acompanhando essa transformação você corre o risco de acabar como uma das organizações da estatística acima.

Nos dias de hoje temos pouco controle e visibilidade sobre os concorrentes. Já não é mais tão fácil montar o nosso “War Room” (Mapa de Guerra) colocando as tachinhas nas empresas que sabemos que nossos clientes podem preferir ao invés da nossa. Isso porque, pode surgir um competidor indireto e “invisível”, que focado na nossa ineficiência vai abocanhando parte do mercado. O que tem acontecido é que atualmente não é mais a luta do grande contra o pequeno, mas sim do ágil contra o lento.

A agilidade está ligada a responder rápido as tendências de mercado e assimilar a transformação que estamos vivendo e isso exige mudança. Exige a necessidade de abraçar uma adaptação estrutural e cultural promovendo o uso da tecnologia para melhorar o desempenho, aumentar o alcance e garantir resultados melhores para o negócio.

Só que por mais que isso seja a realidade escancarada aos nossos olhos toda essa transição não acontece. E por quê? Porque diversas vezes as instituições estão sob o efeito dos glóbulos brancos. Aquelas áreas que são totalmente avessas ao risco corporativo e que não estão nem um pouco dispostas a dar aos funcionários a liberdade e recurso para criar, testar e falhar.

Além disso, as empresas e seus líderes muitas vezes cultivavam a Síndrome do Pequeno Poder, burocratizando precocemente processos internos quando começam alcançar sucesso. Criando barreiras, níveis hierárquicos desnecessários e importando metodologias de grandes instituições, matando assim tudo o que fez ela chegar até ali.

Outro ponto, é que elas criam uma área focada em criatividade e chamam isso de inovação. Quando na verdade, a inovação tem que fazer parte do dia a dia, tem que ser enraizada na organização e não necessariamente ligada à tecnologia. Pode ser inovação de processo, de modelo de negócios, de canal, entre outros.

É comum também que as organizações valorizem o intraempreendedorismo, só que sem o suporte da liderança o intraempreendedor é apenas um sonhador. Fazendo um exercício de autorreflexão, qual foi a última vez que você líder abraçou a ideia de um funcionário e deu a liberdade para que ele pudesse implementar? A verdade é que as pessoas não deixam as corporações, elas se livram dos seus chefes.

O que também vale destacar, é que muitas vezes as empresas ficam só no planejamento e aí, ou elas seguem à risca o que está no papel ou não colocam em prática as ideias que foram propostas. Existe uma lei do exército canadense que diz que “se houver disparidade entre o mapa e o terreno, fique sempre com o terreno”. Isso quer dizer que se você tem um mapa do tesouro que fala que num lugar passa um rio, e você está naquele lugar e não passa um rio, acredita no que você está vendo, não começa a nadar na areia. E ele vale no mundo dos negócios: acredite nas tendências de mercado e comece a agir.

E por que tudo isso acontece? Porque as empresas estão presas no passado, enraizadas numa cultura da falsa segurança do planejamento-controle e se apegando aos produtos, serviços e modelos que as trouxe até aqui. Mas aqui o clichê vai fazer sentido: “o que te trouxe até aqui, não é garantia que vai te levar até muito mais longe”.

A Transformação Digital que é amplamente difundida hoje em dia começa com um exercício tão simples quanto complexo: mudança de mindset, ou seja, transformar a mentalidade da organização como um todo. Isso envolve repensar crenças e ideias pré-concebidas para propor novos processos que tragam mais eficiência às operações, com foco sempre em metodologias mais ágeis e inovadoras. Para isso, é importante mudar paradigmas e treinar a mente para estar aberto a novas possibilidades. Sabe aquela máxima de que não adianta ter as mesmas atitudes e esperar um resultado diferente? Ela se aplica perfeitamente nesse caso.

Hoje, é muito comum ouvirmos falar que as empresas têm que adotar a mentalidade das startups. Isso não quer dizer simplesmente adotar as tecnologias mais modernas ou trabalhar só com o digital; isso tem a ver com ter agilidade, responder as tendências de mercado e entregar valor para os clientes.

E pra que isso aconteça primeiro a empresa tem que entender que precisa mudar, e mais importante, montar uma estrutura para que isso possa acontecer. Num exercício de autorreflexão corporativa é importante entender o seu nível de maturidade digital e pensar como fazer algo 10 vezes mais rápido, 10 vezes mais barato e com 10 vezes mais valor para o cliente? A solução vai passar por adoção de novas tecnologias? Pode ser que sim. Mas na grande maioria das vezes o caminho será essa mudança de mindset e adaptação da operação e dos processos.

Lembre-se: a transformação digital é feita por pessoas que são guiadas por uma cultura interna. Se elas tiverem o ambiente, suporte e autonomia para executarem os projetos e estarem abertas às mudanças você cria alicerces sólidos na sua companhia para que ela possa prosperar.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.