Acompanhe:

Arte em blockchain do criador de 'Rick & Morty' é vendida por R$ 800 mil

Original de Justin Roiland foi leiloado em plataforma da exchange Gemini; outro desenho do artista, inspirado em "Os Simpsons", já tem lance de quase R$ 1 milhão

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Reprodução/Twitter/Nifty/Divulgação)

(Reprodução/Twitter/Nifty/Divulgação)

G
Gabriel Rubinsteinn

Publicado em 20 de janeiro de 2021 às, 10h58.

Última atualização em 20 de janeiro de 2021 às, 11h04.

A galeria de arte digital Nifty Gateway, que pertence à exchange Gemini, dos irmãos Winklevoss, anunciou na noite de terça-feira, 19, a venda de uma obra de Justin Roiland, cocriador da série "Rick & Morty", por 150 mil dólares, ou cerca de 800 mil reais.

Chamada "The First Ever Edition Of Rick And Morty Cryptoart" (ou "A Primeira Edição da História de uma Criptoarte de Rick & Morty", na tradução livre), a obra foi tokenizada e leiloada pela plataforma especializada em NFT Art.

A obra vendida na última terça faz parte da coleção chamada "The best I Could Do" ("O Melhor que eu Poderia Fazer", em tradução livre), que tem vários outros desenhos de Justin Roiland, inclusive de outras animações famosas, como "Os Simpsons" — no momento da publicação, a arte da família mais conhecida do mundo das animações está em leilão, que termina na noite desta quarta-feira, 20, cujo lance mais alto até agora é de 188.137 dólares (quase 1 milhão de reais).

O termo "NFT Art" faz referência às obras de arte que são representadas por tokens não-fungíveis (ou “non-fungible tokens”, termo em inglês que forma a sigla NFT). Os NFTs são tokens únicos, registrados em blockchain e com informações em contratos inteligentes.

Esse tipo de token não é intercambiável e é indivisível. Assim, não pode ser trocado, simplesmente porque não há outro igual. Isso diferencia esse tipo de token de criptoativos como o bitcoin, que são fungíveis e podem ser divididos e trocados — você pode enviar um bitcoin para alguém, e essa pessoa pode te enviar um bitcoin, e ambos continuarão com a mesma coisa. No caso dos NFTs, isso não acontece, já que não existem dois NFTs iguais.

Os NFTs podem ser utilizado para uma infinidade de aplicações — a NFT Art é apenas uma delas. Ingressos para eventos, imóveis, licenciamento de marcas e itens colecionáveis são outros exemplos, mas as possibilidades — muitas delas ainda não exploradas — são incalculáveis.

Apesar dos valores elevados das obras de Roiland, esta não é a maior venda de NFT Art registrada recentemente. Em dezembro de 2020, uma coleção de arte digital assinada pelo artista Beeple foi vendida na mesma plataforma por quase 4 milhões de reais.

No curso "Decifrando as Criptomoedas" da EXAME Academy, Nicholas Sacchi, head de criptoativos da Exame, mergulha no universo de criptoativos, com o objetivo de desmistificar e trazer clareza sobre o funcionamento. O especialista usa como exemplo o jogo Monopoly para mostrar quem são as empresas que estão atentas a essa tecnologia, além de ensinar como comprar criptoativos. Confira.

Últimas Notícias

Ver mais
Bancos vão investir R$ 47 bilhões em tecnologia neste ano e Drex é prioridade, diz Febraban
Future of Money

Bancos vão investir R$ 47 bilhões em tecnologia neste ano e Drex é prioridade, diz Febraban

Há 7 horas

Worldcoin, projeto de dono do ChatGPT, lança blockchain próprio
Future of Money

Worldcoin, projeto de dono do ChatGPT, lança blockchain próprio

Há um dia

Em 2024, a autocustódia cripto ainda é a melhor solução? Descubra os riscos e opções
Future of Money

Em 2024, a autocustódia cripto ainda é a melhor solução? Descubra os riscos e opções

Há um dia

'Blockchains precisam se adaptar às necessidades da 'vida real', diz executiva da Avalanche
Future of Money

'Blockchains precisam se adaptar às necessidades da 'vida real', diz executiva da Avalanche

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais