EXAME Agro
Apresentado por CEDRO PARTICIPAÇÕES

Conheça a região de onde devem sair as próximas safras premiadas de café

Com altitude elevada, clima ameno e água em abundância, a Serra do Cabral, em Minas Gerais, atrai investidores – e se consolida como a nova fronteira agrícola do café

Serra do Cabral: muitos produtores vêm encontrando, na região, as condições perfeitas para o cultivo do café (Manoel Marques/exame.solutions)

Serra do Cabral: muitos produtores vêm encontrando, na região, as condições perfeitas para o cultivo do café (Manoel Marques/exame.solutions)

EXAME Solutions
EXAME Solutions

EXAME Solutions

Publicado em 3 de maio de 2024 às 18h45.

Última atualização em 13 de maio de 2024 às 19h37.

Tudo sobrebranded-content
Saiba mais

Em 2023, pela primeira vez na história, o Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais ultrapassou a marca de R$ 1 trilhão. A agropecuária foi o setor que mais contribuiu para esse avanço, com alta de 11,5% em relação a 2022.

O bom desempenho se deve, principalmente, por conta da alta produção de café. No ano passado, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção do grão cresceu 32,1% em relação ao volume colhido na safra anterior, especialmente devido ao aumento na área de produção, do ganho de produtividade e das melhores condições das lavouras após as últimas safras.

Responsável por mais de 50% da produção nacional do grão – especialmente do tipo arábica –, Minas Gerais abriga grandes e pequenas plantações, de norte a sul do estado. E apesar da consolidação desse mercado, ainda existem áreas inexploradas sendo descobertas.

Uma delas é a Serra do Cabral. Escondida em meio a um maciço montanhoso, no centro-norte mineiro, muitos produtores vêm encontrando, na região, as condições perfeitas para o cultivo do café.

Por que a Serra do Cabral é tão especial?

Com uma altitude elevada, entre mil e 1,2 mil metros, clima ameno – com dias quentes e noites frias –, e muita disponibilidade hídrica, a região vem brilhando os olhos de      fundos de investimento como o de Harvard e o de Pensão Canadense (PSP) que, juntos, somam 8,6 mil hectares de área cultivada.

A região tem atraído também grandes empresas, como a Veloso Coffee, uma das primeiras a desbravar a região. Em 2023, a companhia ganhou notoriedade ao conquistar o segundo lugar do Cup of Excellence, o mais importante concurso de qualidade de cafés do mundo.

Além da Veloso, se instalaram na Serra do Cabral outras produtoras do grão, como Família Zancaner, Funchal, Ricardo Tavares e a Cedro Agro – esta última, recém-chegada, mas com uma meta ousada: a de se tornar uma das dez maiores produtoras de café de alto valor do mundo.

“A Serra do Cabral é uma nova fronteira agrícola”, diz Luis Carlos Casim Stein, diretor de agronegócio da empresa que, além de investir no café mineiro, vem apostando suas fichas na plantação de soja e milho na Bahia.

Parte do Grupo Cedro, holding que também atua nas áreas de mineração, real estate e saúde com a Biomm, a Cedro Agro já investiu R$ 200 dos R$ 500 milhões previstos em uma das três fazendas que comprou na região, onde  desenvolve novas tecnologias -- mais modernas e sustentáveis -- de plantio e irrigação. Juntas, elas devem somar 4,1 mil hectares plantados (área equivalente a cerca de 4 mil estádios do Maracanã).

Uma das fazendas da Cedro Agro na Serra do Cabral, em MG: meta da empresa é se tornar uma das dez maiores produtoras de café de alto valor do mundo (Manoel Marques/exame.solutions)

A iniciativa da Cedro faz parte do modelo estratégico do grupo baseado na diversificação de negócios a partir de projetos greenfield, com ênfase em inovação, alta gestão e sustentabilidade.

A expectativa é de que das três fazendas na Serra do Cabral saiam em torno de 200 mil sacas nos próximos seis anos – 80% delas para exportação e 20% para consumo interno.

“A gente tem visto um consumo crescente em países como Estados Unidos, Rússia e China”, afirma Casim. Ele traz um fato curioso: “Os chineses, que já são apreciadores de chá, estão se abrindo agora para o café arábica, que é mais suave e adocicado. Isso gera novas oportunidades para o nosso mercado.”

Confira, a seguir, nosso tour por uma das fazendas de café da Cedro.

yt thumbnail

Produção sustentável

Para suprir a demanda interna e agradar o mercado externo, a Cedro Agro e outros produtores da região investem em práticas sustentáveis, como a irrigação por gotejamento – capaz de poupar até 30% de água –, bem como a preservação de boa parte das fazendas e a adoção da agricultura de precisão.

“Solos diferentes exigem diferentes níveis de nutrientes, então coletamos dados para uma lavoura mais uniforme e uma melhor produtividade”, explica o engenheiro agrônomo Vitor Hugo da Silva Castro.

Engenheiro agrônomo e gerente-geral da Cedro Agro, João Emílio Duarte Mathias completa: “Além desse controle, usamos tecnologias como plantio por GPS e curvas de nível para movimentar o mínimo possível a camada de superfície do solo. São tecnologias das quais a gente não abre mão”.

O próximo passo da Cedro Agro é a conquista do selo da Rainforest Alliance. Em fase final, o certificado atesta o respeito da empresa às melhores práticas sociais, ambientais e de governança. “Trazer esse selo para dentro da fazenda é extremamente importante e mostra que estamos produzindo com responsabilidade”, afirma Castro.

Fazenda da Cedro em Francisco Dumont (MG): colheita de estreia deve acontecer em maio deste ano (Manoel Marques/exame.solutions)

Gerando renda

Em Francisco Dumont, a primeira fazenda da Cedro, a colheita de estreia deve acontecer em maio deste ano. A expectativa dos mais de 100 colaboradores diretos e outros 76 indiretos é grande.

Moradores de regiões próximas como Francisco Dumont, Joaquim Felício, Buenópolis e Bocaiúva, muitos deles encontraram, no plantio do café, uma oportunidade de se especializar e fazer carreira no agro.

“Muitas pessoas estão tendo a oportunidade de aprender a trabalhar com trator, com uma colheitadeira, com agricultura de precisão. E isso tem gerado empregos e retenção de mão de obra na região. Tem muita gente retornando para casa porque agora vê uma perspectiva. Além disso, a nossa média salarial é acima do mercado – uma prova de que, aqui na Cedro Agro, as pessoas têm não só oportunidades, como também seus talentos valorizados”, diz Mathias.

Acompanhe tudo sobre:branded-contentCedro

Mais de EXAME Agro

Exportações do agro brasileiro registram queda de 10,2% em maio

Produção de sêmen bovino registra alta de 10% no 1º trimestre de 2024

Rio Grande do Sul: inundações causam queda de 9% na produtividade do arroz, afirma Emater/RS

STF suspende sessão sobre incentivos fiscais para agrotóxicos

Mais na Exame