EXAME Agro

Avanço científico: primeira calculadora de carbono para solo tropical se torna realidade

Parceria público-privada entre Bayer, Embrapa, ADM e Grupo Bom Futuro entrega a primeira carga de soja brasileira com pegada de carbono mensurada e rastreada

Soja no transbordo: Bayer entrega a primeira carga de soja brasileira com pegada de carbono mensurada, rastreada e livre de desmatamento (REUTERS/Paulo Whitaker/Reuters)

Soja no transbordo: Bayer entrega a primeira carga de soja brasileira com pegada de carbono mensurada, rastreada e livre de desmatamento (REUTERS/Paulo Whitaker/Reuters)

Mariana Grilli
Mariana Grilli

Repórter de Agro

Publicado em 26 de maio de 2023 às 12h34.

Última atualização em 26 de maio de 2023 às 13h26.

Matupá, MT - De um lado, a lavoura do milho prestes a ser colhido. Do outro, a vegetação nativa do cerrado. Neste cenário simbólico em Matupá, no Mato Grosso, composto de commodity e floresta, aconteceu o lançamento da primeira calculadora de mensuração de pegada de carbono no Brasil, voltada para quantificar as emissões ao longo de toda a cadeia produtiva da soja. E mais: inteiramente pensada para a realidade do clima tropical.

Resultado de uma parceria público-privada entre o gigante Bayer e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a calculadora PRO Carbono Footprint considera uma série de informações embutidas em sistema para mensurar a pegada de CO2 desde o pré-plantio até a entrega do grão ao mercado consumidor. O feito é grande, à medida que as ferramentas de cálculo até então tinham base metodológica europeia e, portanto, de clima temperado.

Nesta quarta-feira, 25, durante evento da iniciativa PRO Carbono, em Matupá (MT), entidades e empresas da cadeia agropecuária, como Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA), Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) e o frigorífico JBS demonstraram interesse em aderir à nova calculadora.

Informações como produtividade média da área, quantidade de insumos aplicados e volume de combustível gasto nas operações são alguns dos dados fornecidos à calculadora. Ela equaciona a pegada de carbono em cada talhão, cujas informações são lastreadas em uma metodologia com reconhecimento internacional, considerando a análise do ciclo de vida da soja.

Silvia Masshurá, presidente da Embrapa, explica que a criação da calculadora surgiu por uma necessidade científica e mercadológica.

“São precisos números para mostrar a pegada de carbono, com metodologia científica para ter credibilidade no mercado e poder levar as tecnologias para o campo. Por detrás desse projeto de medição de uma soja livre de desmatamento, precisamos trazer os indicadores”, afirma.

A automação da calculadora em sistema blockchain garante que não haja intervenção manual nos dados coletados.

Soja livre de desmatamento

Foi a nova calculadora ‘made in Brazil’ que permitiu à multinacional Bayer entregar a primeira carga de soja brasileira com pegada de carbono mensurada, rastreada e livre de desmatamento, de acordo com protocolos internacionais do Deforestation and Conversion Free Soy (DCF). A negociação envolveu a produção de dez agricultores brasileiros localizados nos biomas cerrado e Amazônia, em uma área total de 159 mil hectares, e a trader ADM, gestora e processadora da cadeia de suprimento agrícola.

Os grupos Bom Futuro, Scheffer, Masutti, SLC Agrícola, Natter, Fedrizzi e Grupo Parmeggiani são alguns dos participantes da iniciativa da Bayer.

A partir de culturas com manejo sustentável, como rotação de cultura e plantio direto, o programa registrou dados primários das áreas referentes a 240 mil toneladas de soja e contabilizou uma pegada média de carbono de 861,55 CO2 equivalente por tonelada.

A diferença é considerável quando comparada à pegada de carbono na soja com valores disponíveis nas bases de dados reconhecidas internacionalmente, cuja indicação média é de 2.600 quilos de CO2 equivalente por tonelada.

“Essas bases comparativas são uma referência para avaliar a eficiência do processo produtivo. À medida que o conhecimento científico avança, essas referências devem ser constantemente atualizadas para permitir informações mais precisas. Então, a calculadora vai travar os dados e as informações são disponibilizadas para traders, com lastro através dos volumes colhidos”, diz Fabio Passos, diretor do Negócio de Carbono da Bayer para a América Latina.

Fabio Passos, diretor do Negócio de Carbono da Bayer para a América Latina

Em Matupá (MT), Fabio Passos, diretor do Negócio de Carbono da Bayer para a América Latina, fala sobre o lançamento da calculadora e do projeto PRO Carbono Commodities (Mariana Grilli/Exame)

A agregação de valor que interessa

A carga de soja produzida com pegada mensurada é um interesse explícito de toda a cadeia produtiva, reflexo da pressão internacional e agravada pela assinatura do Green Deal, na Europa. Eraí Maggi Scheffer, acionista majoritário da Bom Futuro Agrícola, olha a cobrança por transparência de forma positiva, “uma maneira de separar o joio do trigo”.

“Lógico que podemos ter melhor preço por tonelada e agregação de valor através do baixo carbono. [O PRO Carbono] é um modelo ímpar com seriedade. O empresário vai se adequar por metro quadrado. A exigência lá de fora não é tão ruim assim como se imagina, pois o produtor também vai estar atento a tecnologias de maior produtividade e ter remuneração, então dentro da propriedade ele vai ser mais rentável”, diz Eraí.

Auditada pela Bureau Veritas como terceira parte independente e em consonância com análises socioambientais, as análises de dados — incluindo o que é computado na calculadora — busca atestar a não sobreposição com terra indígena ou território quilombola e unidades de conservação, condições de trabalho análogas à escravidão, lista de áreas embargadas pelas autoridades de meio ambiente (Ibama, Sema e ICMBio), além da conformidade ambiental com o Código Florestal e avaliações do Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Com esse sistema de rastreabilidade via QRCode e blockchain, a expectativa é positiva também pelo lado da trader. Segundo Luciano Souza, diretor de grãos da ADM América do Sul, a commodity traz uma dificuldade maior em relação à rastreabilidade, algo que ele diz que espera ser superado com a plataforma cocriada entre Bayer e Embrapa.

“Temos condições de falar que determinada quantidade de soja em um armazém, caminhão, barcaça, navio, consegue chegar ao destino, assegurando que saiu daqui com procedência e segurança. Indústrias de alimento que demandam soja, seja no farelo ou óleo, querem da gente essa rastreabilidade. É um processo que está sendo desenvolvido do produtor à agroindústria”, diz.

Tanto Bom Futuro quanto ADM falam em agregação de valor ao grão e a expectativa de um preço superior ao que é pago em bolsas de valores. O caminho até lá ainda precisa ser trilhado, mas os passos da metodologia de mensuração e blockchain já sinalizam um bom atalho.

Acompanhe tudo sobre:AgronegócioAgropecuáriaSojaGrãosExame-AgroBayer

Mais de EXAME Agro

Conciliar proteção ambiental e produção agropecuária depende de maior transparência pública

Exportações do agronegócio alcançam recorde de US$ 15,24 bilhões em abril

Mais valioso do que ouro: conheça o mel de abelhas sem ferrão, que chega a custar R$ 1.300 o litro

Conab fará 1º leilão de compra de arroz importado na próxima semana

Mais na Exame