EXAME Agro

Argentina autoriza exportação limitada de carne bovina

O governo fechou um acordo com Minerva e Marfrig Global Foods, permitindo que as empresas exportem até metade dos níveis do ano passado de alguns cortes de carne

 (JUAN MABROMATA/Getty Images)

(JUAN MABROMATA/Getty Images)

B

Bloomberg

Publicado em 23 de junho de 2021 às 18h59.

Última atualização em 23 de junho de 2021 às 19h38.

Por Jonathan Gilbert e Patrick Gillespie, da Bloomberg

A Argentina decidiu flexibilizar a proibição às exportações de carne bovina, medida implementada no mês passado destinada a controlar a inflação.

O governo fechou um acordo com frigoríficos como Minerva e Marfrig Global Foods, permitindo que as empresas exportem até metade dos níveis do ano passado de alguns cortes de carne bovina, disse o ministro da Produção, Matías Kulfas, em conversa com repórteres na terça-feira. A medida é válida até agosto.

“Estamos priorizando a renda dos argentinos”, disse Kulfas. O governo, acrescentou, também aumentou os controles dos preços domésticos e agora revisa os próximos passos para as políticas de longo prazo para a carne bovina.

As restrições à carne bovina são um novo capítulo na difícil relação entre o governo argentino e pecuaristas, cujas exportações trazem dezenas de bilhões em moeda forte. Desde a posse há 18 meses, o governo já tentou nacionalizar uma exportadora de soja em crise e proibiu as exportações de milho, mas voltou atrás nas duas medidas.

Por enquanto, a proibição às exportações não reduziu os altos preços da carne bovina como planejado. Em vez de caírem, os preços aumentaram em parte devido a uma greve de pecuaristas como protesto.

Os preços em Buenos Aires subiram 76% em relação ao ano anterior, de acordo com o instituto de carne bovina IPCVA, superando de longe a inflação geral. A proibição também elevou os preços futuros do boi gordo nos Estados Unidos. A Argentina é o quinto maior exportador de carne bovina do mundo, e grande parte do produto vai para a China, maior comprador de commodities.

Outras restrições permanecem em vigor em meio à incerteza econômica na Argentina. A inflação está em 49%, e a pobreza aumenta quando o boom das commodities e a pandemia criam problemas semelhantes para diversos países.

Até dezembro, os frigoríficos estão totalmente proibidos de exportar vários cortes de carne populares. A carne vermelha é um alimento básico na Argentina, que compete com o vizinho Uruguai como o maior consumidor per capita do mundo.

Pecuaristas dizem que déficits fiscais e a política monetária frouxa são a principal causa da inflação, e não a competição dos mercados de exportação. Os embarques de carne bovina dispararam para níveis recordes sob o governo de Alberto Fernández, depois de se recuperarem com as políticas favoráveis ao mercado de Mauricio Macri, que governou de 2015 a 2019.

Com a suspensão parcial da proibição, a carne bovina da Argentina retornará ao mercado chinês, que responde por 75% das vendas do país no exterior.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaCarnes e derivadosExame-AgroExportaçõesMarfrigMinerva Foods

Mais de EXAME Agro

Agro paulista cresce 12,8% nos primeiros cinco meses de 2024

"Não temos compromisso com o erro", diz Fávaro sobre cancelamento do leilão de arroz

Safra de milho deve se manter em 127 milhões de toneladas no Brasil, prevê USDA

Brasil deve colher 169 milhões de toneladas de soja na safra 2024/25, estima USDA

Mais na Exame