Tecnologia

Usuários de aplicativos móveis são infiéis, indica estudo

Um levantamento da empresa Localytics revela que 26% das pessoas que baixam programas para smartphones e tablets usam os aplicativos apenas uma vez

iPhone 4, da Apple: muitos usuários desistem dos aplicativos depois de experimentá-los (Apple/Divulgação)

iPhone 4, da Apple: muitos usuários desistem dos aplicativos depois de experimentá-los (Apple/Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de junho de 2011 às 20h50.

São Paulo — Por mais que os aplicativos para smartphones e tablets já tenham se consolidado como um mercado, a maioria dos usuários não se mantêm fiel a um programa específico. Levantamento realizado pela empresa de pesquisas Localytics revela que 26% das pessoas que baixam programas para dispositivos móveis usam os aplicativos apenas uma vez e nunca mais os acessa de novo.

A pesquisa revela, também, que outros 26% que baixam novos aplicativos se transformam automaticamente em usuários fiéis, acessando os programas mais de dez vezes durante as primeiras semanas de uso. 

O estudo chama atenção, ainda, para a proporção de pessoas que usam os aplicativos três ou quatro vezes e depois desistem. De acordo com a Localytics, se somados os resultados das pessoas que ativam os programas apenas uma vez ao das que os utilizam duas ou três vezes, 48% dos usuários desistem dos aplicativos depois do primeiro contato. 

Para a Localytics, o resultado mostra que as empresas não devem se voltar exclusivamente para o desenvolvimento de aplicativos móveis. Tão essencial quanto ter produtos no mercado, segundo a consultoria, é investir em ações de marketing para atrair e reter usuários. Caso contrário, o uso de aplicativos móveis torna-se um fenômeno esporádico, em que há uma explosão momentânea de audiência, que, imediatamente depois, cai.

Acompanhe tudo sobre:AppsIndústria eletroeletrônicaSmartphonesSoftwareTablets

Mais de Tecnologia

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Neuralink, de Elon Musk, fará teste de implante cerebral em novo voluntário

Contra Huawei, Apple corta preço de iPhone na China

TikTok passa a testar vídeos de 60 minutos e acirra disputa com YouTube

Mais na Exame