Tecnologia

Três dicas para usar o Google Flights para conseguir passagens aéreas mais baratas

O Google Flights tem um recurso que mostra o histórico de preços de um voo que você está procurando

Decidir quando reservar seus voos pode depender do período do ano em que você está procurando (Thinkstock/Choreograph)

Decidir quando reservar seus voos pode depender do período do ano em que você está procurando (Thinkstock/Choreograph)

Publicado em 10 de julho de 2024 às 10h45.

Katy Nastro visitou mais de 40 países ao redor do mundo. Na maioria das vezes, ela encontra seus voos por meio do mecanismo de busca Google Flights.

Como passageiro frequente e especialista em viagens da Going, Nastro utiliza uma série de técnicas para encontrar os melhores e mais acessíveis voos possíveis.

Confira três dicas que o especialista deu ao site da CNBC:

1. A flexibilidade é sua amiga

Manter suas opções em aberto é uma das coisas mais importantes que você pode fazer para encontrar as melhores ofertas de viagens.

“Acho que flexibilidade é a coisa mais importante que as pessoas precisam lembrar”, diz Nastro. “O Google Flights possui funções para facilitar ao máximo a exploração de todas as suas opções.”

Nastro prefere considerar voos só de ida em vez de voos de ida e volta quando planeja uma viagem pela primeira vez. Isso é útil não apenas para comparar preços, mas também para descobrir se ela consegue chegar o mais próximo possível dos horários de voo desejados.

2. O histórico de preços é útil... até que deixe de ser

O Google Flights tem um recurso que mostra o histórico de preços de um voo que você está procurando, bem como previsões de como o preço irá flutuar no futuro. Mas tenha cuidado ao confiar demais nessas informações, especialmente durante uma temporada com recorde de viagens.

“É difícil dizer que o Google Flights é 100% preciso o tempo todo”, diz Nastro. “Ele fornece uma estimativa baseada no histórico, o que é muito bom, mas não significa que o histórico passado produzirá resultados futuros.”

Decidir quando reservar seus voos pode depender do período do ano em que você está procurando. Se você estiver na janela  conhecida como Cachinhos Dourados – o período durante o qual você provavelmente encontrará os melhores preços para um determinado destino – você deve se sentir confortável em fazer reservas sabendo que os preços provavelmente só subirão a partir daí.

3. Não desligue os alertas depois de reservar

Depois que seus voos são reservados, Nastro ainda mantém os alertas de preços ativados.

“Como eliminamos em grande parte as taxas de alteração nas companhias aéreas tradicionais nos EUA, se você reservou uma passagem da classe econômica principal, pode ligar e remarcar o voo por um preço mais baixo e depois obter um crédito”, diz ela. “Fiz isso outro dia e ganhei um crédito que vou usar em um voo em agosto.”

Nastro define suas configurações para fornecer alertas não apenas para o voo que ela já reservou, mas para todos os voos daquele dia para a viagem que deseja fazer.

“Provavelmente não é o caso, mas se for mais barato voar numa companhia aérea diferente, voo o suficiente para que faça sentido embolsar o crédito de viagem para ser usado no futuro e depois reservar aquele bilhete mais barato”, diz Nastro.

E por mais que prefira o Google Flights, Nastro ainda verifica os preços em outros sites também.

Acompanhe tudo sobre:Turismopassagens-aereas

Mais de Tecnologia

Amazon atinge meta de eletricidade 100% limpa sete anos do previsto

Por que o X, antigo Twitter, não decolou com Elon Musk?

Apple Watch vai completar 10 anos: qual o futuro do dispostivo?

Microsoft obriga funcionários na China a usarem iPhones

Mais na Exame