Tecnologia
Acompanhe:

Tesla acumula problemas enquanto Musk está distraído com Twitter

As revelações dos últimos dias levantaram preocupações com os acionistas, já receosos com as prioridades de Musk desde que ele assumiu o comando de mais uma empresa

 (CARINA JOHANSEN/Getty Images)

(CARINA JOHANSEN/Getty Images)

B
Bloomberg

Publicado em 9 de dezembro de 2022, 17h22.

Enquanto Elon Musk está ocupado reformulando o recém-adquirido Twitter, a Tesla enfrenta problemas cada vez mais urgentes e testando a fé de alguns dos maiores fãs de seu CEO.

O enfraquecimento da demanda na China está forçando a fabricante de veículos elétricos a desacelerar a produção e atrasar contratações em sua fábrica em Xangai. Um executivo de alto nível para esse mercado foi chamado para ajudar em sua mais nova fábrica, no Texas, que não está crescendo como planejado. E as ações da Tesla, que perderam mais de US$ 500 bilhões em valor de mercado este ano, estão sob nova pressão à medida que os consultores de Musk avaliam usar as ações do bilionário como garantia para novos empréstimos em substituição à dívida do Twitter.

Quer ficar por dentro das maiores novidades da tecnologia? Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia.

As revelações dos últimos dias levantaram preocupações com os acionistas, já receosos com as prioridades de Musk desde que ele assumiu o comando de mais uma empresa.

“O conselho da Tesla não está agindo”, tuitou Leo KoGuan, um dos maiores acionistas individuais da Tesla, na quarta-feira, quando ele sugeriu uma recompra de ações. Ele e outro investidor da Tesla, Ross Gerber, estão pedindo que o conselho adicione um diretor que representaria os acionistas minoritários.

O próprio Musk disse que tem “muito trabalho” em suas mãos e que, para dar conta disso, está dormindo no escritório algumas vezes. Enquanto no passado ele dormia nas instalações da Tesla, ultimamente ele tem hibernado na sede do Twitter, em San Francisco.

“Continuo a supervisionar a Tesla e a SpaceX, mas as equipes são tão boas que geralmente pouco é demandado de mim”, tuitou Musk na quinta-feira. “A equipe da Tesla se saiu incrivelmente bem, apesar dos tempos extremamente difíceis”, disse ele no início do dia, citando a crise energética europeia, a desaceleração imobiliária na China e as taxas de juros dos EUA como desafios macroeconômicos.

A recente volatilidade turva o final de um ano em que a Tesla ainda deve atingir vendas recordes e manter sua coroa como a maior fabricante de veículos elétricos do mundo. Não ficou imune, no entanto, à desaceleração do mercado automotivo da China e às condições de recessão na Europa. Em outubro, o diretor financeiro Zachary Kirkhorn disse que a empresa espera ficar um pouco abaixo do crescimento de 50% nas entregas de veículos que a empresa disse esperar repetidamente ao longo de vários anos.

A fábrica da Tesla em Austin, Texas, está crescendo mais lentamente do que o esperado, com uma nova forma de células de bateria de íon-lítio ainda não prontas para produção em série. Diante desse cenário, a empresa aproveitou Tom Zhu, um importante executivo na China que supervisionou a construção da fábrica de Xangai, para supervisionar as operações em Austin, noticiou a Bloomberg na quarta-feira.

Em Xangai, a Tesla está encurtando os turnos de produção e atrasando as datas de início de alguns funcionários recém-contratados, informou a Bloomberg. Esses são os mais recentes sinais de que a demanda por veículos elétricos da Tesla na China não está atendendo às expectativas. Isso aconteceu depois que a Bloomberg informou, no início desta semana, que a Tesla planejava cortar a produção nas linhas do Modelo Y e do Modelo 3 em Xangai em cerca de 20%.

A Tesla terá muito para lidar em 2023. A empresa recentemente começou a entregar seu tão esperado caminhão Semi com vários anos de atraso e planeja finalmente começar a produzir sua primeira picape, o Cybertruck.

LEIA TAMBÉM: