Acompanhe:

Swatch se associa a bancos por relógio que faz pagamentos

A Swatch está se associando a gigantes chinesas do setor bancário para vender um relógio capaz de realizar pagamentos em lojas de todo o país

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Relógios da Swatch: relógio permitirá que os usuários realizem pagamentos em lojas que tiverem as máquinas de cartões de crédito da China UnionPay
 (Divulgação/Swatch)

Relógios da Swatch: relógio permitirá que os usuários realizem pagamentos em lojas que tiverem as máquinas de cartões de crédito da China UnionPay (Divulgação/Swatch)

D
Da Redação

Publicado em 14 de outubro de 2015 às, 21h32.

A Swatch Group AG está se associando a gigantes chinesas do setor bancário para vender um relógio capaz de realizar pagamentos em lojas de todo o país, apresentando um desafio aos smartwatches da Apple Inc. e da Samsung Electronics Co.

O relógio permitirá que os usuários realizem pagamentos em lojas que tiverem as máquinas de cartões de crédito da China UnionPay Co., segundo a empresa com sede em Biel, na Suíça, que está se associando também ao Bank of Communications Co. (Bocom), um dos cinco maiores bancos da China.

À venda no varejo por 580 yuans (US$ 91), o aparelho chamado Swatch Bellamy será vendido na China nos estabelecimentos do Bocom e da Swatch a partir de janeiro do ano que vem e depois lançado na Suíça e nos EUA, disse o CEO Nick Hayek em uma entrevista coletiva em Xangai nesta quarta-feira.

Um chip de comunicação por campo de proximidade localizado sob o visor permite que o aparelho funcione de forma semelhante a um cartão de banco.

Ao explicar por que o relógio estava sendo vendido primeiro na China, Hayek disse que embora a Swatch sempre tenha considerado primeiro seu território doméstico, a Suíça, “meu Deus, leva meses e meses e anos” fazer alguma coisa nova com os bancos suíços.

O relógio é lançado no momento em que as fabricantes suíças enfrentam o encolhimento do mercado chinês depois que o governo começou a desencorajar os gastos excessivos dos funcionários públicos, no fim de 2012.

Como o Apple Watch está à venda por apenas US$ 349, as fabricantes dos relógios tradicionais estão acrescentando funções eletrônicas aos seus próprios produtos.

Jogo não acabou

“É importante para a Swatch ter sua própria versão do ‘smartwatch’, pois a Apple e outras empresas de tecnologia estão procurando construir uma base própria no pulso esquerdo”, escreveu Luca Solca, analista da Exane BNP Paribas, em uma nota na quarta-feira. “A Swatch está disputando um jogo que claramente ainda não acabou”.

O produto aumenta a concorrência enfrentada pelos relógios inteligentes da Apple e da Samsung, que têm recursos de pagamento, mas não estão ligados à rede Unionpay.

Os chamados aparelhos de vestir poderão chegar a US$ 32,2 bilhões em vendas em 2019, contra US$ 18,9 bilhões no ano passado, estima a empresa de pesquisas IHS, cuja projeção inclui, por exemplo, aparelhos auditivos.

Pulseiras de relógio

A Cie. Financière Richemont SA oferece pulseiras inteligentes para relógios sob a marca Montblanc por 350 euros (US$ 399) cada, enquanto a LVMH Moet Hennessy Louis Vuitton SE informou que lançará um relógio inteligente TAG Heuer de US$ 1.400 no final deste ano.

A Apple também está procurando dar um toque de luxo ao seu relógio inteligente, o que fica evidente na colaboração com a Hermès para a produção de pulseiras para o Apple Watch.

A Swatch tem décadas de experiência no desenvolvimento de tecnologias que poderiam ser aplicadas a um relógio inteligente, como por exemplo baterias de longa duração tão finas que se dobram.

A marca Tissot, pertencente à empresa, produz relógios com telas sensíveis ao toque desde 1999, que atualmente oferecem altímetro, bússola e sensores para registrar a descida de um mergulhador.

As transações de pagamentos por dispositivos móveis subiram 134 por cento na China em 2014, para 22,6 trilhões de yuans (US$ 3,6 trilhões), segundo o banco central.

A UnionPay, rede que anteriormente detinha o monopólio dos pagamentos no país, enfrenta uma concorrência cada vez maior das provedoras terceirizadas de serviços de pagamentos, como a Alibaba Group Holding Ltd., e empresas estrangeiras como a Apple e a Samsung Electronics Co. também estão de olho no mercado chinês.

Últimas Notícias

Ver mais
MWC 2024: China Mobile e Huawei anunciam seus cronogramas para a comercialização de 5.5G
Tecnologia

MWC 2024: China Mobile e Huawei anunciam seus cronogramas para a comercialização de 5.5G

Há 7 horas

O que é IPv6? Huawei, Anatel e Inatel querem dobrar conectividade no Brasil
Tecnologia

O que é IPv6? Huawei, Anatel e Inatel querem dobrar conectividade no Brasil

Há 11 horas

Empresa chinesa diz que pode transformar carro elétrico em cinema
Tecnologia

Empresa chinesa diz que pode transformar carro elétrico em cinema

Há 12 horas

Meta formará equipe para combater fake news nas eleições da União Europeia
Tecnologia

Meta formará equipe para combater fake news nas eleições da União Europeia

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais