Startup de inteligência artificial recebe aporte de R$ 40 mi e mira Brasil

Fundada por argentinos, a startup Fligoo quer se tornar a maior empresa de análise de dados avançada da América Latina

A startup Fligoo, especializada em desenvolver soluções baseadas em inteligência artificial para empresas, acaba de levantar 40 milhões de reais em uma rodada de investimentos de série A. O aporte é liderado pelos fundos family office brasileiros 4P Investments, da família Pitanguy, e Fuse Capital, além do fundo Suquet Capital Partners, dos Estados Unidos.

Sediada em São Francisco, nos Estados Unidos, a startup foi fundada em 2013 pelos empreendedores argentinos Marcos Martínez e Lucas Olmedo, que viram a oportunidade de usar as técnicas avançadas de análise de dados e inteligência artificial para fornecer serviços e recomendações para as empresas. Hoje a startup tem entre os clientes companhias como Coca Cola, Itaú, Walmart e B2W.

O sistema da empresa conta com cerca de 4.000 algoritmos que ajudam as empresas a entender a dinâmica das suas operações e sugere ações, por exemplo, para aumentar as vendas ou evitar a perda de clientes. Em um dos clientes, um banco do Canadá, o sistema da empresa conseguiu aumentar em 22% as vendas de cartões de crédito fazendo uma análise do perfil dos clientes para descobrir quais deles tinham maior propensão a adquirir um cartão.

Em uma gestora de investimentos, o sistema foi usado para fazer recomendações de alocação de investimentos aos clientes a fim de evitar que eles retirassem o dinheiro dos fundos. Com isso, a empresa conseguiu evitar a saída de 300 milhões de dólares em investimentos.

Segundo Carlos Naupari, presidente da Fligoo no Brasil, o aporte da nova rodada de investimentos será usado na expansão internacional da empresa, com foco na operação no Brasil, e também para atrair novos talentos e aumentar a operação comercial. Hoje a startup conta com 53 pessoas na equipe, das quais 43 são cientistas de dados que trabalham na modelagem dos algoritmos.

“A gente tem uma grande oportunidade de virar a maior empresa de análise de dados avançada e inteligência artificial da América Latina, e também complementando os esforços nos Estados Unidos”, disse Naupari em entrevista à EXAME.

Apesar de ter pouco tempo de operação no Brasil, o país já se tornou um dos maiores mercados da startup, junto dos Estados Unidos e do Canadá. Das 15 grandes empresas que são clientes da startup, cinco estão no Brasil.

Segundo Naupari, a maior demanda das empresas em usar a tecnologia para ganhar mais eficiência é o que está por trás desse crescimento. É um movimento que foi acelerado durante a pandemia do novo coronavírus e que acabou ajudando na expansão das operações. Depois de aumentar a presença no Brasil, o objetivo da startup é buscar outros mercados na América Latina, como México, Colômbia e Peru.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.