Tecnologia

‘Selfie’ de macaca é de domínio público, dizem reguladores dos EUA

O Escritório de Direitos Autorais dos EUA discute a lei federal de direitos autorais em um relatório de 1.222 páginas

Macaca Nigra (Wikimedia Commons)

Macaca Nigra (Wikimedia Commons)

DR

Da Redação

Publicado em 22 de agosto de 2014 às 10h02.

A ‘selfie’ de uma macaca nigra, que viralizou na Internet e está sob licença “Creative Commons” na página da Wikimedia Commons, foi declarada como domínio público pelos reguladores de direitos autorais dos EUA.

A foto foi tirada pelo próprio animal, que ‘roubou’ a câmera do fotógrafo David Slater durante uma sessão de 2011 na Indonésia e tirou a conhecida foto e mais algumas. Slater estava brigando com a Wikimedia pelos direitos da fotografia, enquanto esta afirmava que o público, não o fotojornalista, mantém os direitos sobre as fotos.

O Escritório de Direitos Autorais dos EUA discute a lei federal de direitos autorais em um relatório de 1.222 páginas, e disse que "uma fotografia tirada por um macaco" é propriedade intelectual sem proteção.

"O Instituto não vai registrar obras produzidas pela natureza, animais ou plantas. Da mesma forma, o Instituto não pode registrar um trabalho supostamente criado por seres divinos ou sobrenaturais, embora o Instituto possa registrar um trabalho em que o aplicativo ou o departamento de depósito da cópia afirme que o trabalho foi inspirado por um espírito divino", diz o relatório.

De acordo com o Ars Technica, sob a lei federal do Reino Unido, no entanto, Slater pode reivindicar os direitos de propriedade intelectual da imagem mesmo sem ter apertado o botão da câmera.

Acompanhe tudo sobre:CopyrightFotografiaINFOWikipedia

Mais de Tecnologia

Agora todos poderão ver o que você comenta em um story do Instagram; saiba como

Boeing Starliner tem retorno à Terra adiado pela segunda vez

Internet em qualquer lugar? Starlink, de Elon Musk, lança antena do tamanho de um laptop

Você sabe o que é telemática? Tecnologia reduziu em 40% as taxas de colisões em estradas, diz estudo

Mais na Exame