Tecnologia

Polícia australiana investiga Google em questão de privacidade

A investigação decorre de de queixas de cidadãos sobre as atividades de funcionários que trabalhavam na captura de imagens para o Google Maps

Página do Google vista de um Blackberry; a polícia australiana foi convocada a investigar o gigante da internet. (.)

Página do Google vista de um Blackberry; a polícia australiana foi convocada a investigar o gigante da internet. (.)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de junho de 2010 às 14h46.

Melbourne - A polícia australiana foi convocada a investigar o gigante de Internet Google quanto a possíveis violações das leis de privacidade das telecomunicações, anunciou o secretário da Justiça do país no domingo.

A investigação é decorrente de queixas de cidadãos australianos sobre as atividades de funcionários do Google enquanto capturavam imagens para utilização no Google Maps, o serviço de mapas da empresa de buscas.

O serviço "Street View" vem sofrendo ataques em diversos países recentemente. A companhia informou que havia recolhido dados pessoais involuntariamente, ao registrar informações de redes sem fio não criptografadas nos últimos anos.

O Google anunciou no domingo que cooperaria com as investigações da polícia australiana. A investigação surge em meio a uma onda mundial de críticas quanto à coleta de informações pessoais por gigantes da Internet, entre os quais, Google e Facebook.

O assunto foi encaminhado à polícia federal australiana na sexta-feira após queixas do público, disse Robert McClelland a jornalistas em Melbourne na abertura de um fórum sobre segurança na Internet.

"Na sexta-feira, o gabinete do secretário de Justiça se referiu a essas alegações e denúncias à polícia federal australiana," disse McClelland. "Elas se relacionam de maneira substancial a possíveis violações da lei de interceptação de telecomunicações, que impede que pessoas acessem comunicações eletrônicas para propósitos não autorizados."

Uma porta-voz da polícia confirmou que as denúncias haviam sido encaminhadas. Alan Eustace, executivo sênior do Google, disse no mês passado que a empresa havia erroneamente recolhido dados pessoais de redes sem fio, e ordenado que a prática fosse abandonada. Ele afirmou, no entanto, que isso só acontecia com redes sem fio não criptografadas, e que nenhum desses dados era utilizado em produtos do Google.

Uma porta-voz do Google afirmou no domingo que a empresa havia cometido um erro. "Foi um erro. Estamos conversando com as autoridades apropriadas a fim de responder a quaisquer perguntas que tenham," ela comunicou à Reuters por e-mail.

Leia outras notícias sobre o Google

Acompanhe tudo sobre:crimes-digitaisEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaGoogleInternetPrivacidadeseguranca-digitalTecnologia da informação

Mais de Tecnologia

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

O que esperar do balanço da Nvidia, a mais nova queridinha de Wall Street

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Mais na Exame