Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Mark Zuckerberg: negócio do Facebook é a mobilidade

Mercado reage bem à primeira entrevista do CEO após abertura de capital, em maio: ações da companhia sobem na bolsa

São Paulo - Quatro meses após conduzir a maior abertura de capital de uma empresa de tecnologia, Mark Zuckerberg, criador e CEO do Facebook, enfim falou. Em entrevista realizada no TechCrunch Disrupt, em São Francisco, na Califórnia, ele admitiu decepção com a queda do valor das ações da companhia na bolsa de valores e, tentando convencer o mercado, disse que o negócio da companhia é a mobilidade. A apariação de Zuckerberg parece ter agradado o mercado. Durante a entrevista, que durou 25 minutos, as ações da empresa na bolsa de valores subiram 4,6%, sendo cotadas a 20,32 dólares.

"O desempenho de nossas ações tem sido obviamente decepcionante", afirmou Zuckerberg – desde o lançamento, os papéis da companhia perderam mais da metade do valor. Mas o CEO foi rápido ao tentar mostrar o caminho para superar a situação: os dispositivos móveis. "Decepcionamos na Nasdaq, mas já estamos fazendo mais dinheiro a partir de acessos via celular, em comparação com o uso da rede em desktops", afirmou.

A ênfase de Zuckerberg no segmento móvel tem uma motivação clara. Logo após a abertura do capital da rede, vieram à tona relatórios que apontavam uma mudança no comportamento dos usuários do serviço. Mais da metade dos cadastrados já utilizava o site a partir de dispositivos móveis. O problema é que o Facebook não parecia preparado para a virada. Afinal, seus anúncios mal eram vistos nos aplicativos que rodam em tablets e celulares – e a publicidade, como se sabe, é uma fonte vital de receita do negócio.

"O Facebook é agora uma empresa móvel", pregou Zuckerberg, acrescentando que todos os esforços dele e de seus colaboradores estão voltados ao segmento. Em outras palavras, a fazer da experiência do usuários (e também do anunciante) uma aventura mais "enriquecedora". "Eu faço tudo o que preciso usando meu celular", garantiu. O objetivo, é claro, é convencer investidores e usuários que o serviço está pronto para os novos tempos.

Apesar do declarado empenho em mobilidade, Zuckerberg foi enfático ao negar os boatos de que a empresa trabalhe no desenvolvimento de um smartphone próprio. "Não faz o menor sentido", disse. E ele explicou o porquê. "Temos mais de 900 milhões de usuários e nosso objetivo é tornar nosso ambiente acessível ao maior número possível de dispositivos de diferentes marcas", disse. "Com um smartphone próprio, chegaríamos no máximo a 10 milhões ou 15 milhões de pessoas, o que é muito pouco diante do nosso potencial."


Zuckerberg também comentou dois assuntos importantes para o serviço: a aquisição do Instagram e o aprimoramento de mecanismo de busca próprio. "Nós achamos o Instagram incrível e queremos ajudá-los a ganhar milhões e milhões de usuários", disse, referindo-se ao aplicativo de customização e compartilhamento de fotos. Vale lembrar, o Facebook pagou 1 bilhão de dólares pelo controle do produto em abril.

Sobre o mecanismo de buscas interno da rede, ele foi sucinto, apesar da insistência do entrevistador, Michael Arrington, fundador do Techcrunch. "Estamos construindo um eficiente e grande motor de pesquisas na própria rede social", sem detalhar o tamanho ou os objetivos da equipe. Mas com o pouco que revelou sobre o assunto Zuckerberg deixou clara a importância das buscas para seu negócio.

"Acredito que o Facebook seja o único serviço capaz de oferecer certas informações. Quero que o mecanismo de busca responda questões como: em quais lugares meus amigos comeram sushi em Nova York nos últimos seis meses e gostaram." Não por acaso, a rede incentiva tanto seus milhões de usuários a compartilhar feitos e preferências: aí está sua riqueza.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também