Tecnologia

Maior vazamento da história pode ter exposto 8 bilhões de senhas

Um arquivo de texto com senhas foi publicado na internet e traz novas credenciais de acesso, além de reunir dados de vazamentos anteriores

Hackers: Desde a pandemia hackers dedicam mais tempo a bug bounty (EThamPhoto/Getty Images)

Hackers: Desde a pandemia hackers dedicam mais tempo a bug bounty (EThamPhoto/Getty Images)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 8 de junho de 2021 às 20h37.

Última atualização em 8 de junho de 2021 às 20h48.

O maior vazamento de senhas da história pode ter exposto 8,4 bilhões de senhas de serviços digitais. Um arquivo foi publicado em um fórum de hackers contendo os dados. Em referência ao vazamento de 32 milhões de senhas em 2009, o RockYou, o novo caso vem sendo chamado de “RockYou2021”, de acordo com o site de segurança digital Cyber News.

As senhas contidas no arquivo de texto, que tem tamanho de 100 GB, têm entre seis e 20 caracteres.

Alguns dos dados são de outros vazamentos, mas estão reunidos no documento.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor 

Em entrevista para Exame, Arthur Igreja, professor convidado da FGV e especialista em inovação, diz que é fundamental ter senhas cada vez mais robustas e usar os verificadores de senhas para ver se já não foram vazadas.

O site haveibeenpwned é um desses verificadores de senhas vazadas. Vale lembrar que um vazamento de CPFs de grande parte dos brasileiros aconteceu em janeiro deste ano.

“Um vazamento dessa magnitude expõe a fragilidade da privacidade. Isso se relaciona com vazamento de CPFs mostrando que nós temos de um lado vazamento de senhas, de outro, dados cadastrais. Então, esses fatores se entrelaçam e, com isso, os hackers conseguem montar um perfil. Se somamos isso às informações que já estão publicamente disponíveis como as que as pessoas deixam abertas nas redes sociais, temos um problema gigantesco. Esse vazamento demonstra que esse tipo de ação está mais frequente, mais ampla. E falando de bilhões de dados, temos uma escala inimaginável há alguns anos. Temos uma fragilidade da segurança por parte dos usuários, mas, principalmente, por parte das empresas”, afirma Igreja.

De acordo com a consultoria indiana Mordor Intelligence, que monitora mais de 50 segmentos de mercados, a área de prevenção de perda de dados teve faturamento global de 1,21 bilhão de dólares em 2020. A previsão da consultoria é de que essa receita mundial salte para 3,75 bilhões em 2026.

  • Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME.
Acompanhe tudo sobre:Empresas de internetempresas-de-tecnologiaHackersseguranca-digital

Mais de Tecnologia

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Neuralink, de Elon Musk, fará teste de implante cerebral em novo voluntário

Contra Huawei, Apple corta preço de iPhone na China

TikTok passa a testar vídeos de 60 minutos e acirra disputa com YouTube

Mais na Exame