Tecnologia

Índia testa formas de monitorar e-mail do BlackBerry

Mensagens que trafegam entre aparelhos da RIM passam por complexos códigos de criptografia

Governo está preocupado sobre o uso potencial da rede para militantes planejarem ataques (.)

Governo está preocupado sobre o uso potencial da rede para militantes planejarem ataques (.)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de agosto de 2010 às 14h17.

Nova Déli - Agências de segurança da Índia estão testando formas de acesso corporativo a e-mail via BlackBerry pela obtenção de dados criptografados em um formato legível, disse uma fonte do governo nesta quinta-feira.

A Research In Motion (RIM), fabricante do Blackberry, tem prazo limite de 31 de agosto para fornecer às autoridades da Índia meios de rastrear mensagens de correio eletrônico transmitidas pelo celular inteligente e também enviadas pelo serviço BlackBerry Messenger.

O governo, preocupado sobre o uso potencial da segura rede do BlackBerry para militantes planejarem ataques, prometeu interromper os serviços da RIM se a companhia não cumprir com o prazo. Isso praticamente tiraria a empresa de um dos mercados de telecomunicações que mais cresce no mundo.

Um time de técnicos da RIM em Nova Déli está trabalhando com agências de segurança e representantes do governo sobre como solucionar a questão.

A RIM usa complexos códigos ou criptografia nas mensagens de e-mail que trafegam entre os aparelhos BlackBerry.

Autoridades do setor de telecomunicações na Índia dizem que a RIM afirmou que o único meio de interceptar um e-mail é quando ele temporariamente fica armazenado no servidor da empresa-cliente, em um formato criptografado enquanto a mensagem trafega entre dois aparelhos Blackberry.

Agências da Índia estão agora checando se podem ter uma tecnologia para monitorar os e-mails quando eles ficam brevemente armazenados no servidor da empresa. Não é possível rastrear os e-mails em qualquer outro estágio do tráfego das mensagens.

Leia mais da Índia

Siga as últimas notícias de Tecnologia no Twitter

 

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaBlackBerryEmpresasÍndiaseguranca-digitalTelecomunicações

Mais de Tecnologia

TikTok passa a testar vídeos de 60 minutos e acirra disputa com YouTube

Como tirar o online do WhatsApp no Android? Confira o tutorial no app

Como escanear documentos no seu smartphone sem instalar nada

Como descobrir uma fonte a partir da imagem pela internet

Mais na Exame