Acompanhe:

Google quer obrigar fabricantes a atualizar Android nos smartphones

Empresa quer dar um ponto final na demora de fabricantes para atualizar o sistema

Modo escuro

Continua após a publicidade
Segurança: Google não quer que aparelhos com Android fiquem vulneráveis a novas falhas de segurança por mais de 90 dias (rbulmahn/Reprodução)

Segurança: Google não quer que aparelhos com Android fiquem vulneráveis a novas falhas de segurança por mais de 90 dias (rbulmahn/Reprodução)

G
Gustavo Gusmão

Publicado em 27 de outubro de 2018 às, 05h55.

Última atualização em 27 de outubro de 2018 às, 05h55.

O Google parece querer dar um ponto final à demora nos updates do Android entre as fabricantes de smartphones que usam o sistema. Segundo um contrato confidencial obtido pelo site The Verge, a empresa passou a incluir cláusulas que obrigam as companhias a manter seus aparelhos atualizados por pelo menos dois anos.

Não significa que as fabricantes terão que necessariamente disponibilizar as novas versões do Android nos celulares. A obrigatoriedade proposta pelo contrato, segundo a reportagem, tem a ver com com os updates de segurança do sistema, que o Google disponibiliza mensalmente. É algo que David Kleidermacher, chefe de segurança do Android, chegou a comentar durante a conferência Google I/O mais para o começo deste ano, segundo o site 9to5Google.

A ideia é fazer com que as empresas disponibilizem pelo menos quatro dessas atualizações no primeiro ano do aparelho, seja ele um smartphone ou um tablet, no mercado. Para o segundo ano, a quantidade de updates não é estipulada, mas a ideia é que os dispositivos não fiquem mais de 90 dias sem receber correções de falhas de segurança já identificadas. Os termos são válidos para quaisquer modelos lançados depois de 31 de janeiro de 2018 e com mais de 100 mil unidades ativadas.

Problema antigo

Essa obrigatoriedade deve ajudar a solucionar um dos maiores problemas do Android, que é a fragmentação do sistema. O Google tem conseguido identificar e corrigir falhas no SO de forma eficiente, mas as muitas modificações feitas por marcas e operadoras na plataforma dificultam a aplicação dos updates que resolvem as vulnerabilidades.

Isso provoca uma demora excessiva para disponibilizar atualizações — mesmo em casos de falhas mais graves. Usuários acabam, então, ficando com dispositivos abertos a ataques já bastante conhecidos por eventuais cibercriminosos.

O contrato com cláusulas de obrigatoriedade não é nem a primeira medida que o Google toma para resolver essa questão. No ano passado, a empresa anunciou o chamado Project Treble para acelerar a aplicação de atualizações no sistema operacional a partir do Android 8.

A iniciativa propôs dividir o Android em módulos, deixando uma parte do SO para as fabricantes de celulares e de processadores e outra para o Google. Essas partes funcionam de forma independente em relação às atualizações. Ou seja, correções de segurança podem ser aplicadas direto no aparelho, sem ter que depender das fabricantes.

Últimas Notícias

Ver mais
Saiba tudo que já rolou no evento de novidades do Google
Inteligência Artificial

Saiba tudo que já rolou no evento de novidades do Google

Há 20 horas

Google processa criadores de aplicativos por golpe de investimento em criptomoedas
Future of Money

Google processa criadores de aplicativos por golpe de investimento em criptomoedas

Há 5 dias

Google pode começar a cobrar por busca feita com inteligência artificial
Inteligência Artificial

Google pode começar a cobrar por busca feita com inteligência artificial

Há 6 dias

'Sucesso' da IA traz vigaristas para o setor, diz CEO da DeepMind
Inteligência Artificial

'Sucesso' da IA traz vigaristas para o setor, diz CEO da DeepMind

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais