Tecnologia

Google disponibiliza chat em vídeo para usuários de Linux

Novidade vem dois anos depois do lançamento para Windows e Mac OS X

Recurso permite realizar videoconferências a partir do Gmail ou do Orkut (.)

Recurso permite realizar videoconferências a partir do Gmail ou do Orkut (.)

DR

Da Redação

Publicado em 20 de agosto de 2010 às 14h25.

São Paulo - Os serviços de conversa por voz e vídeo do Google estão finalmente disponíveis para usuários de Linux. O recurso, que pode ser acessado a partir da tela do Gmail, do Orkut e da página personalizada do buscador, pode ser utilizado por usuários de Windows e Mac OS X desde novembro de 2008.

Segundo Tristan Schmelcher, engenheiro de software do Google, usuários do Linux eram os que mais encaminhavam pedidos de acesso ao serviço de videoconferência. Para acessar a conversa por voz e vídeo, lançado nesta sexta-feira (20), é preciso instalar um plug-in, disponível em gmail.com/videochat. Por enquanto, a novidade roda no Ubuntu e em outras distribuições baseadas no Debian. O suporte para Red Hat Linux deve vir em breve, segundo o Google.

Em seu blog pessoal, Justin Uberti, responsável pelos serviços de voz e vídeo na empresa, disse que adaptar a ferramenta para o Linux foi uma tarefa difícil. "Este lançamento precisou de um trabalho significativo de engenharia para desenvolver uma solução de renderização de vídeo e um gerenciador de áudio totalmente novos, além de um trabalho com suporte a 64 bits e testes de compatibilidade com inúmeras webcams", explicou.

Leia outras notícias sobre o Google

Siga as notícias de Tecnologia do site EXAME no Twitter

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaGoogleInternetSoftwareTecnologia da informaçãoVídeos

Mais de Tecnologia

Novidade no antigo Twitter: Elon Musk oculta curtidas no X

Muito além da IA: 10 novidades para esperar no seu iPhone e iPad

Brasil será primeiro país a receber recurso antirroubo do Google para android

Musk critica aliança Apple-OpenAI e ameaça barrar iPhone em suas empresas

Mais na Exame