Tecnologia

Facebook e Google dominam 70% do tráfego de internet da AL

O estudo identifica ainda que mais de 60% de todo o tráfego na América Latina e na América do Norte são atualmente criptografados


	Facebook: ainda no mercado norte-americano, a Amazon Video foi responsável por 4,3% do tráfego
 (KAREN BLEIER/AFP)

Facebook: ainda no mercado norte-americano, a Amazon Video foi responsável por 4,3% do tráfego (KAREN BLEIER/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de junho de 2016 às 10h40.

O tráfego de dados em redes móveis na América Latina é hoje dominado pelo Facebook e Google, com 70% do total na região, contra 60% registrado no ano passado, segundo estudo da consultoria de redes de banda larga Sandvine divulgado na semana passada.

O levantamento diz ainda que a participação do WhatsApp é de 7,4% de todos os dados trafegados na região, o que significa mais do que o triplo de dois anos antes.

Na avaliação da empresa, isso teria sido reflexo da adição do recurso de chamadas por voz no aplicativo.

O estudo identifica ainda que mais de 60% de todo o tráfego na América Latina e na América do Norte são atualmente criptografados. A previsão, contudo, é de que "algumas redes passem dos 80% neste ano".

Redes fixas

A Sandvine também observou crescimento o serviço over-the-top (OTT) Netflix no mercado latino-americano de redes fixas. A empresa saltou de 6,6% do total no ano passado para 8,3% neste ano.

Vale ressaltar, contudo, que a participação no tráfego cresceu mesmo após a empresa adotar ferramentas que melhoram a compressão de vídeo, consumindo menos dados no streaming, o que chegou a levar o serviço a consumir menos na América do Norte: de 37,1%, agora está em 35,2%.

Ainda no mercado norte-americano, a Amazon Video foi responsável por 4,3% do tráfego.

A Sling TV ainda é menos do que 1% do total, apesar de aparecer entre as 20 maios aplicações nas redes dos Estados Unidos.

Juntos, o streaming de áudio e vídeo agora são 71% do total trafegado nas redes fixas na região, percentual que deverá subir para 80% na estimativa da empresa.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaFacebookGoogleInternetRedes sociaisTecnologia da informaçãoWhatsApp

Mais de Tecnologia

Alexa, da Amazon, pode subir preço em versão mais inteligente para competir com ChatGPT

CEO da Nvidia ganha US$ 7,6 bilhões em um só dia

Muito tempo no celular? Veja dicas para diminuir seu tempo de tela

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

Mais na Exame