Nyan Cat: meme faz 10 anos e já virou criptoativo; entenda a trajetória

Meme que viralizou em 2011 já virou jogo, aplicativo, site e até um token não fungível, vendido mês passado por meio milhão de dólares

Quantos memes se mantêm relevantes por uma década? Alguns perdem sua essência depois de dias, às vezes até horas, sendo replicados na internet. O Nyan Cat é um dos poucos que transcende essa regra, com seu desenho característico sendo visto em jogos, aplicativos, criptomoedas e até um token não fungível (NFT, na sigla em inglês) durante a última década.

O gato em 8-bit com um corpo de Pop-Tart, biscoito recheado comum nos Estados Unidos, voando por um céu estrelado com um rastro de arco-íris o seguindo, foi criado no dia 2 de abril pelo ilustrador Chris Torres. Torres estava participando de uma transmissão ao vivo para arrecadar dinheiro em um evento da organização humanitária American Red Cross quando dois usuários sugeriram que ele criasse um desenho que misturasse um gato com o biscoito.

Chris Torres e seu gato Marty, inspiração para o Nyan Cat Chris Torres e seu gato Marty, inspiração para o Nyan Cat

Chris Torres e seu gato Marty, inspiração para o Nyan Cat (Chris Torres/Reprodução)

O desenho original foi baseado no gato de Torres, Marty, que faleceu um ano depois, e foi primeiramente chamado apenas de "Pop-Tart Cat". “Eu sinto que coloquei sua energia na imagem, porque ele estava sempre correndo e fazendo o que queria”, contou o criador em uma entrevista recente ao site Know Your Meme, uma enciclopédia online de conteúdos virais.

Torres publicou sua criação em formato de animação pelo seu próprio site de quadrinhos, o Lol Comics, que já tinha uma audiência relativamente grande. 

No dia 5 de abril, porém, o youtuber saraj00n transformou a animação no que conhecemos hoje. Usando uma música japonesa chamada “Vocaloid Nyanyanyanyanyanyanya” em loop, o internauta combinou o áudio com a animação e criou o vídeo intitulado “Nyan Cat”. Em duas semanas, o vídeo chegou a um milhão de visualizações, um marco que agora é pouco quando falamos de YouTube, mas na época era gigantesco e determinava que o conteúdo era definitivamente viral. 

Afinal, como surgiram os memes?

Victor Barcellos, especialista de Comunicação Digital da ITS-Rio, explica que o conceito de meme surgiu de um dos livros mais aclamados na área de biologia: O Gene Egoísta, de Richard Dawkins. Nele, Dawkins define o conceito de gene como a unidade mínima da vida, cujo único objetivo é se disseminar e replicar.

Ao mesmo tempo, Dawkins queria considerar a cultura humana e sua particularidade, e não apenas o lado da biologia. É aí que, em 1976, ele pensa no conceito de meme, que seria a unidade mínima da memória. Enquanto o gene quer replicar vidas, o meme quer fazer isso com as memórias. Ideias, religiões, comportamentos ou qualquer conteúdo da consciência poderiam ser um meme, que se multiplica de cérebro em cérebro, nas conversas e nas trocas culturais.

“Tanto o meme quanto os genes disputam pela sua sobrevivência. Eles estão competindo entre si e aquele que melhor se adapta, continua”, explica Barcellos. Entre o final da década de 90 e os anos 2000, os memes começam a tomar outro significado. Eles eram conteúdos que ganhavam a internet através de uma propagação viral, conceito que só se fortaleceu com o surgimento das redes sociais e dos dispositivos móveis. 

A viralização do Nyan Cat

Após a publicação do vídeo, em dias o “Nyan Cat” estava em sites populares de comédia como Memebase, CollegeHumor, o programa Tosh.0 e o BuzzFeed, além de redes sociais como o Facebook e o Tumblr. Antes um desenho para arrecadar dinheiro, agora ele era um patrimônio da internet.

“Nele, observamos a questão da reapropriação. Se não tivesse a música, não teria sido viral como foi”, analisa Barcellos. Ele acredita que quatro fatores tornaram o Nyan Cat um conteúdo viral: 1) é um vídeo animado; 2) animais fazendo atividades que não são propriamente deles, ainda mais um gato, chamam atenção dos internautas; 3) tem uma música animada e 4) o loop infinito da música e do vídeo juntos.

“Ele chama sua atenção. Você está navegando, vê uma animação muito rápida e colorida, é muito surpreendente”, reflete Torres sobre sua própria criação. “Naquele dia [5 de abril], eu estava começando um novo emprego e meu telefone estava explodindo com mensagens. Na época, eu não conseguia imaginar que estava prestes a bombar mundialmente.”

Atualmente, o vídeo original acumula 186 milhões de visualizações. Outras versões — como uma estendida de 10 horas, uma que toca jazz suave e outra que acelera o vídeo para o gato ir mais rápido —  e paródias como “Nyan Dog” têm por volta de 10 milhões de visualizações cada.

Em 2012, o Nyan Cat chegou a receber o prêmio de “Meme do ano” no Webby Awards, premiação focada na internet e realizada pela Academia Internacional de Artes e Ciências Digitais nos Estados Unidos. 

Site, jogos, aplicativos e muito mais

Uma semana após o vídeo ser publicado, o site Nyan.cat foi ao ar. Nele, a música e o gif tocam de maneira contínua e um cronômetro marca por quanto tempo o usuário “nyanou” no site. Ele também pode escolher entre diversas versões do Nyan Cat ao clicar no botão “Pick a flavor” (escolha seu sabor, em português). 

O site Slowbro.org, uma página com gifs do Nyan Cat preenchendo a página e caindo pelo “céu” da tela, foi lançado no dia seguinte. Há também uma enciclopédia feita por fãs só com conteúdos relacionados ao Nyan Cat. Sua “wiki”, que funciona quase como um fórum, acumula 375 páginas de conteúdo.

Em junho de 2011, o próprio YouTube habilitou um flash player personalizado para o vídeo original do Nyan Cat: quem abrisse ele iria ver uma versão mini do desenho na barra de progresso, que estava com uma trilha de arco-íris.

Alguns internautas, inclusive, tentaram replicar a ideia. O usuário InstantElevatorMusic lançou sua versão da barra de progresso para o Windows, e o internauta Nikos Lykousas criou o NyanSliders para dispositivos da Apple, que substituía qualquer ato de deslizar por um Nyan Cat e um rastro de arco-íris.

Jogo do Nyan Cat Um dos jogos feitos com o Nyan Cat. Neste, o personagem corre continuamente, coleta itens e tenta não perder vidas

Um dos jogos feitos com o Nyan Cat. Neste, o personagem corre continuamente, coleta itens e tenta não perder vidas (Know Your Meme/Reprodução)

“Uma característica forte do meme é sua propriedade de apropriação. Às vezes muda o texto ou a imagem, mas dificilmente ele vai permanecer o mesmo, porque a lógica é a da sobrevivência”, conta Barcellos, que ressalta que a definição de viral vem da ideia de vírus e contágio, algo que “se multiplica exponencialmente e ganha as redes”.

No quesito de jogos, aplicativos para dispositivos Windows, Android e iOS foram lançados. Só um deles, “Nyan Cat Adventure” foi oficialmente licenciado pela 21st Street Games, desenvolvedora de games norte-americana. Muitos outros desenvolvedores também criaram suas versões do Nyan Cat: "Nyan Cat Lost in Space", "Snake Nyan Cat", "Nyanicorn (uma versão do jogo Robot Unicorn Attack", "Nyan Cat Fly", mas não há qualquer informação sobre eles serem licenciados ou não.

Em 2011, também houve uma onda de remixes e interpretações da música, algumas durando várias horas. De acordo com o site Nyan-Cat, que catalogou músicas e jogos que saíram sobre o meme, 81 músicas foram publicadas e viralizaram no YouTube. 

Problemas com direitos autorais

Torres revelou ao site Know Your Meme que, com o avanço do Nyan Cat, ele descobriu que grandes empresas estavam entrando com pedido de direitos autorais e marcas registradas do seu trabalho, sem que ele soubesse. “Isso me assustou, porque significava que alguém estava tentando se apropriar da minha arte. Foi um momento difícil, porque foi um processo muito longo para combatê-lo”, relembra.

Em junho de 2011, o vídeo de saraj00n foi removido do YouTube após uma “reinvidicação de direitos autorais” pela animação de Torres, que imediatamente se manifestou e disse que não havia sido ele. Eventualmente, os dois criadores conseguiram garantir seus direitos autorais Torres detém os direitos do gif e saraj00n do vídeo.

Barcellos analisa o caso como algo ainda mais comum nos dias de hoje. “Por mais que memes sejam vistos como uma brincadeira, eles são de fato um artefato cultural que preza os valores, ideias e comportamentos de um tempo. Para a gente entender o que a sociedade está pensando em 2021, é preciso compreender os memes sendo compartilhados”, comenta ele, que diz que a tendência será ver ainda mais empresas fazendo uso mercadológico dos memes.

Nyan Cat entra no mundo das criptomoedas

Em 2014, Torres se juntou a outros internautas e criou a Nyancoin, uma moeda alternativa virtual semelhante ao Dogecoin, que também surgiu de um meme, e com sua própria blockchain. A Nyancoin, porém, não tem tanto sucesso no mercado quanto a moeda canina. Ela não está listada em nenhuma bolsa no momento, pois todas as anteriores fecharam. Portanto, no momento, não há mercado ou valor atribuído a ela.

Essa, porém, não seria a última vez que Torres iria explorar o mundo das moedas alternativas. No mês passado, para comemorar os 10 anos do Nyan Cat, ele decidiu vender seu gif como um NFT (ou token não fungível), que é um ativo não intercambiável e que vem revolucionando o mercado de arte digital nos últimos meses.

Torres conseguiu vender o NFT por 300 ETH, moeda da Rede Ethereum, por cerca de 587.658 mil dólares (aproximadamente 3 milhões de reais), após um leilão de 24 horas. Em seu Twitter, ele publicou: “Acabei de abrir as portas para o futuro da economia dos memes no universo das criptomoedas, nada de mais.”

Os tokens não fungíveis, na visão de Barcellos, transformam a característica dos memes de serem compartilhados e alterados constantemente. Com o NFT, o usuário tem a assinatura do criador e ela se torna única. “Qualquer um pode ver o vídeo, mas só ela vai ter aquela obra. Isso transforma o cenário da arte digital, porque aquilo que pertencia a todos agora pode pertencer a uma pessoa só.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.