Tecnologia

Chrome poderá economizar até 60% dos dados no smartphone

O navegador do Google ganhou duas novas ferramentas para que os usuários usem menos seus dados móveis e ainda baixem conteúdo

Google Chrome: agora, é possível fazer o download do conteúdo visto no navegador (Chris Ratcliffe/Bloomberg/Bloomberg)

Google Chrome: agora, é possível fazer o download do conteúdo visto no navegador (Chris Ratcliffe/Bloomberg/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de setembro de 2016 às 12h37.

Última atualização em 8 de dezembro de 2016 às 11h02.

São Paulo – O navegador Chrome ganhou duas funcionalidades que prometem economizar os dados de internet móvel. A atualização chega em um grande movimento do Google de olho em países que têm conexões móveis problemáticas.

O Data Saver promete economizar até 60% dos dados que seriam gastados com imagens e textos usando um sistema de compressão. Com vídeos, ele deve ser ainda mais eficiente. Ao baixar um vídeo em MP4 no Chrome, o Google promete economizar até 67% dos dados que seriam gastos.

O recurso é capaz de identificar conexões lentas e pode otimizar sites para que apenas o essencial seja exibido. Ícones e imagens podem ser retiradas da página e fotos podem ficar com qualidade ruim. Para utilizar o recurso, basta acessar as configurações avançadas do Chrome em um smartphone Android e ativar o Data Saver. A funcionalidade não está disponível para iPhone e iPad por conta de restrições do iOS.

A segunda nova função é o download de páginas. O usuário poderá baixar músicas, vídeos ou fotos para visualizar quando estiver sem internet. Tudo que for baixado pode ser visualizado em um menu dentro do Chrome. O recurso está disponível somente na versão de testes, mas deve aparecer para todos usuários em breve.

Conexões ruins

O Google vem se esforçando com conexões de internet lentas. Na Índia, a empresa lançou o YouTube Go, versão do app que permite o download dos vídeos para visualização offline. O aplicativo também permite o compartilhamento do conteúdo com outros usuários sem o uso de dados.

Outra iniciativa é o Google Station, que vai fornecer software para que estabelecimentos ofereçam Wi-Fi a seus clientes. O serviço foi disponibilizado na Índia depois que o Google fechou uma parceria com o governo para instalar hotspots de internet em 100 ferroviárias até o final do ano.

De acordo com o Wall Street Journal, cerca de 15 mil pessoas na Índia ficam online pela primeira vez todos os dias com os hotspots da empresa. Além disso, 3,5 milhões de pessoas usam o serviço mensalmente no país.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaBrowsersChromeEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaGoogleÍndiaInternet móvelTecnologia da informaçãoWi-FiYouTube

Mais de Tecnologia

A resposta da China para os bloqueios dos EUA: US$ 47 bilhões para autossuficiência em chips

Que música está tocando? Veja 5 formas de descobrir

Lei que regula pesquisa clínica com seres humanos é sancionada após nove anos de tramitação

Drones brasileiros: Psyche Aerospace recebe aporte de R$ 15 milhões para drone agrícola autônomo

Mais na Exame