Acompanhe:

China acusa Google de violar promessa

Autoridades desaprovam atitude da companhia de redirecionar usuários para o site de Hong Kong.

Modo escuro

Continua após a publicidade
EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

D
Da Redação

Publicado em 23 de março de 2010 às, 15h56.

Pequim - A China afirmou que o Google violou uma "promessa em escrito" e está "completamente errado" em pôr fim à autocensura de sua página chinesa http://www.google.cn, sinalizando uma resposta linha-dura na disputa.

Uma autoridade do Gabinete de Informação do Conselho Estatal da China, que ajuda a vigiar as regras de internet do país, fez os comentários após o Google começar a redirecionar usuários chineses ao site de Hong Kong.

Seus comentários sugerem que o Google deve esperar problemas com as autoridades chinesas, mais de dois meses depois de ter anunciado que não iria mais aceitar autocensurar seu site chinês e que foi atacado por hackers chineses.

"O Google violou uma promessa escrita feita ao entrar no mercado chinês", disse a autoridade, segundo informações da agência de notícias estatal Chinese News Service.

Veja outras matérias sobre o Google.

Últimas Notícias

Ver mais
Análise: Petz, Cobasi e o garoto que vendeu o cachorro por R$ 1 milhão 
Exame IN

Análise: Petz, Cobasi e o garoto que vendeu o cachorro por R$ 1 milhão 

Há 7 horas

China se opõe a qualquer ação que aumente ainda mais a tensão no Oriente Médio, diz porta-voz
Mundo

China se opõe a qualquer ação que aumente ainda mais a tensão no Oriente Médio, diz porta-voz

Há 8 horas

Brasil regula abate e processamento de animais para mercado religioso
EXAME Agro

Brasil regula abate e processamento de animais para mercado religioso

Há 10 horas

G7 mostra preocupação com 'políticas não mercantis' da China
Mundo

G7 mostra preocupação com 'políticas não mercantis' da China

Há 11 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais