Tecnologia

Capinhas para iPhone 4 custarão US$ 175 milhões para Apple

Estimativa é da própria empresa, que teve de tomar a medida após reclamações quanto à recepção de sinal

iPhone 4 com capinha oferecida pela Apple (.)

iPhone 4 com capinha oferecida pela Apple (.)

DR

Da Redação

Publicado em 17 de setembro de 2010 às 10h48.

São Paulo - As capinhas oferecidas gratuitamente para usuários de iPhone 4 com o objetivo de resolver o problema de recepção da antena custarão para a Apple US$ 175 milhões, prevê a empresa. A informação foi dada na terça-feira (20), durante a conferência sobre os resultados do terceiro trimestre fiscal.

A companhia de Steve Jobs estima que este será o valor que terá de gastos no balanço do quatro trimestre apenas por conta das capinhas que terá de distribuir de graça. A medida foi tomada após diversos usuários relatarem falhas na recepção do sinal de telefonia celular ao tocar na base inferior esquerda do iPhone 4. O anúncio foi feito na última sexta-feira (16), poucos dias depois de a Consumer Reports, uma entidade que defende os interesses de consumidores norte-americanos, recomendar que o aparelho não fosse comprado justamente por conta desse problema.

Embora tenha reconhecido que há perda de sinal dependendo da maneira como o celular é segurado e inclusive proposto a distribuição gratuita de capinhas, a Apple diz que o problema não é exclusivo do modelo, e garante que outros aparelhos, de outras fabricantes, apresentam o mesmo comportamento.

Leia outras notícias sobre iPhone ou sobre a Apple

Acompanhe tudo sobre:AppleCelularesEmpresáriosEmpresasEmpresas americanasempresas-de-tecnologiaIndústria eletroeletrônicaiPhonePersonalidadesPrejuízoSmartphonesSteve JobsTecnologia da informação

Mais de Tecnologia

Meta ajusta projeções financeiras e planeja aumentar gastos em 2024

União entre Republicanos e Democratas contra o TikTok mostra o quão difícil é banir um aplicativo

Google proíbe impulsionamento de conteúdo político para as eleições de 2024 no Brasil

Android é melhor que Apple? Para o consumidor chinês, sim

Mais na Exame