A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Digitalização na pandemia: o que deve mostrar o balanço da Salesforce

Em 2020, a empresa acumulou alta nas receitas de 24%, impulsionada pelos serviços de nuvem e softwares de gestão corporativa. O resultado desta quinta-feira deve repetir os bons números

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia. 

A Salesforce, líder global em software corporativo, apresenta hoje, 27, o resultado fiscal relativo aos primeiros 3 meses de 2021 e deve mostrar na receita dois aspectos dos seus negócios que surfaram com a pandemia: os serviços de computação em nuvem e a adoção massiva de seus aplicativos de gestão empresarial. 

No último trimestre de 2020, suas receitas totais chegaram a 5,82 bilhões de dólares, representando um aumento de 20% em comparação com o trimestre correspondente do ano anterior. No acumulado, o aumento foi de 24% — US$ 21,25 bilhões.

Trata-se de um momento próspero para a empresa que mira, ainda para esta década, chegar em um faturamento de 40 bilhões de dólares. No entanto, é preciso brigar de frente com as também ofertantes de computação em nuvem Oracle, Microsoft e a alemã SAP, concorrentes com quais disputa desde a fundação da companhia, em 1999.

Recentemente, a Salesforce se valeu de aquisições para diversificar os negócios — algumas bem vistas, como a MuleSoft, que foi lassada por 6,5 bilhões de dólares, e o sistema de visualização de dados Tableau, por 15,3 bilhões de dólares.

E outras que ainda devem mostrar a que vieram, como a compra do mensageiro Slack, a maior aquisição que já fez e pela qual desembolsou 27,7 bilhões de dólares.

Esta última compra foi uma forma de avançar ainda mais dentro dos softwares corporativos que na pandemia e com o home office se mostraram essenciais.

Salesforce e a transformação digital: entrevista com Fabio Costa | CEO Talks

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também