Tecnologia

Adobe vai parar de reproduzir conteúdo em Flash a partir desta terça

Fim já era programado desde o ano passado; padrão deve ser substituído pelo HTML5

5. Adobe (Dado Ruvic / Reuters/Reuters)

5. Adobe (Dado Ruvic / Reuters/Reuters)

KS

Karina Souza

Publicado em 12 de janeiro de 2021 às 21h29.

Última atualização em 12 de janeiro de 2021 às 21h31.

Adobe vai parar de permitir que conteúdo em Flash seja reproduzido a partir desta terça-feira (12). Em um anúncio feito no início de dezembro, a companhia deu um certo cronograma do fim das atividades, tendo o dia de hoje (12) como o último em que todos os conteúdos suportados pelo Adobe Flash Player poderiam ser acessados. O software não deve ser substituído, dado que  companhia não forneceu informações sobre o assunto.

Cansaço? Estafa? Burnout? Faça da pandemia uma oportunidade de reset mental

O encerramento do Flash faz sentido para a companhia e dá a vez a padrões mais novos, além de seguir a uma decisão tomada em 2017, quando Apple, Adobe, Google, Microsoft, Mozilla e Facebook concordaram em remnover o conteúdo e tecnologia Flash de seus produtos. Além disso, os principais navegadores devem remover o plug-in de suas plataformas até o fim deste mês.

“Uma vez que a Adobe não oferecerá mais suporte ao Flash Player após 31 de dezembro de 2020 e bloqueará a execução de conteúdo Flash no Flash Player a partir de 12 de janeiro de 2021, a Adobe recomenda fortemente que todos os usuários desinstalem imediatamente o Flash Player para ajudar a proteger seus sistemas.”, afirma a companhia, em comunicado.

Apesar de ter se tornado obsoleta aos 25 anos, a tecnologia teve uma importância significativa para jogos na web -- e foi até mesmo empregada no início da popularização do Youtube. Hoje, no entanto, essa importância é consideravelmente menor, sendo substituída de forma massiva pelo HTML5.

"O HTML5 é mais rápido, seguro e mais eficiente do que o Flash e funciona em desktops e dispositivos móveis. Em 2014, mais de 80% dos usuários diários de desktop visitavam sites com Flash e, em 2017, esse percentual caiu para 17%", segundo o Google.

Acompanhe tudo sobre:AdobeFlash

Mais de Tecnologia

NIO lança estação que realiza troca de bateria em apenas 3 minutos

Aeroportos registram queda no extravio de bagagens após implementação de novas tecnologias

Volta do presencial prejudica profissionais de tecnologia do Norte e Nordeste

IBM Consulting troca gerente geral para renovar foco em projetos de inteligência artificial

Mais na Exame