Adobe vai parar de reproduzir conteúdo em Flash a partir desta terça

Fim já era programado desde o ano passado; padrão deve ser substituído pelo HTML5
 (Dado Ruvic / Reuters/Reuters)
(Dado Ruvic / Reuters/Reuters)
K
Karina Souza

Publicado em 12/01/2021 às 21:29.

Última atualização em 12/01/2021 às 21:31.

Adobe vai parar de permitir que conteúdo em Flash seja reproduzido a partir desta terça-feira (12). Em um anúncio feito no início de dezembro, a companhia deu um certo cronograma do fim das atividades, tendo o dia de hoje (12) como o último em que todos os conteúdos suportados pelo Adobe Flash Player poderiam ser acessados. O software não deve ser substituído, dado que  companhia não forneceu informações sobre o assunto.

Cansaço? Estafa? Burnout? Faça da pandemia uma oportunidade de reset mental

O encerramento do Flash faz sentido para a companhia e dá a vez a padrões mais novos, além de seguir a uma decisão tomada em 2017, quando Apple, Adobe, Google, Microsoft, Mozilla e Facebook concordaram em remnover o conteúdo e tecnologia Flash de seus produtos. Além disso, os principais navegadores devem remover o plug-in de suas plataformas até o fim deste mês.

“Uma vez que a Adobe não oferecerá mais suporte ao Flash Player após 31 de dezembro de 2020 e bloqueará a execução de conteúdo Flash no Flash Player a partir de 12 de janeiro de 2021, a Adobe recomenda fortemente que todos os usuários desinstalem imediatamente o Flash Player para ajudar a proteger seus sistemas.”, afirma a companhia, em comunicado.

Apesar de ter se tornado obsoleta aos 25 anos, a tecnologia teve uma importância significativa para jogos na web -- e foi até mesmo empregada no início da popularização do Youtube. Hoje, no entanto, essa importância é consideravelmente menor, sendo substituída de forma massiva pelo HTML5.

"O HTML5 é mais rápido, seguro e mais eficiente do que o Flash e funciona em desktops e dispositivos móveis. Em 2014, mais de 80% dos usuários diários de desktop visitavam sites com Flash e, em 2017, esse percentual caiu para 17%", segundo o Google.