Faz piadas com o Bing? Então é melhor você ler isto

Devagar e sempre, buscador da Microsoft virou segundo mais usado na web e ainda gera 2,5 vezes mais com anúncios do que o Twitter

São Paulo – Bing, o buscador da Microsoft, pode parecer um produto perdido para muitos. Quando ele nasceu, em 2009, o Google já havia se estabelecido como o maior buscador do mundo. Mesmo assim, a Microsoft decidiu que o produto era algo valioso na época. E, parece, estava certa.

Apesar de ridicularizado, o Bing hoje é o segundo maior buscador do mundo. Como você já deve imaginar, ele perde somente para o Google neste mercado.

No início deste ano, o Bing era responsável por fazer 21,4% das buscas online realizadas em desktops. O Google liderava com 64% do mercado. O Yahoo, que usa tecnologia do Bing em seu buscador, era responsável por 12,2% das buscas e ficava com o terceiro lugar.

Mas o Bing é algo mais importante para a Microsoft. Ele virou uma ótima ferramenta de anúncios online e vem gerando somas interessantes para um produto que está longe de ser prioridade na empresa comandada por Satya Nadella.

De acordo com a Bloomberg, anúncios na busca já são responsáveis por gerar 5,3 bilhões de dólares para a Microsoft. Mesmo com a baixa prioridade na empresa, esse valor já é duas vezes e meia o que o Twitter todo é capaz de gerar com anúncios—um belo número para a empresa.

A estratégia da Microsoft para alcançar estes números foi colocar o Bing no maior número de lugares que fosse possível. Graças a diversas parcerias, o Bing virou o buscador primário da Siri, assistente virtual da Apple, alguns gadgets da Amazon, além de sites da AOL e Yahoo.

Além disso, o Bing é o buscador oficial de gadgets da Microsoft e foi consideravelmente impulsionado pelo Windows 10, lançado há pouco mais de um ano pela empresa.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.