"A Intel está de volta": novo CEO vai investir US$ 20 bi em novas fábricas

Empresa vai focar no modelo que a transformou em uma gigante nos anos 1980 e investir na fabricação de chips nos EUA

O novo CEO da Intel, Pat Gelsinger, não quer perder tempo na reestruturação da empresa. A fabricante de chips e processadores anunciou mudanças e planos para o futuro nesta terça-feira, 23.

De acordo com Gelsinger, que falou sobre os objetivos pela primeira vez, a empresa irá investir 20 bilhões de dólares em duas fábricas no Arizona e trabalhar mais próxima de parceiros, inclusive fabricando processadores e chips para outras empresas.

"A Intel está de volta. A velha Intel é a nova Intel", afirmou o CEO, sinalizando que a empresa planeja retornar aos tempos áureos em que era uma gigante da produção de processadores de computadores.

A decisão anunciada por Gelsinger surpreendeu investidores e o mercado, que esperavam uma mudança na postura da empresa. Ao invés disso, o executivo resolveu apostar no modelo que tornou a Intel um colosso do mercado de tecnologia americano nos anos 1980. "Estamos trazendo de volta a disciplina de execução da Intel".

A mudança mais significativa é no modelo de funcionamento de fábricas. Muitas empresas passaram a desenvolver processadores e enviar os modelos para fabricação em companhias que terceirizam o serviço, como Samsung e TSMC. A Intel decidiu entrar nesse jogo.

Com fábricas nos Estados Unidos e na Europa, a Intel espera ganhar apreço de governos, que valorizam a produção local de equipamentos. A Intel espera que esse mercado valha em torno de 100 bilhões de dólares em 2025.

Embora a Intel ainda seja uma força dominante no mercado de chips para computadores pessoais e servidores, a empresa sofreu reveses nos últimos meses e anos.

Em julho do ano passado , anunciou que atrasaria o lançamento de novos chips com tecnologia de 7 nanômentros — ao passo que a Apple já lançava processadores para smartphones com 5 nanometros entre os transistores. A fabricante do Mac inclusive deixou a parceria histórica com a Intel e passou a focar na fabricação de microprocessadores internamente.

No mercado, as concorrentes passaram a se mexer. A Nvidia, fabricante de placas gráficas, anunciou em setembro a compra da fabricante ARM, um negócio de 40 bilhões de dólares. A imobilidade da empresa em desenvolver novas tecnologias e inovar nos processadores, inclusive, permitiu à concorrente AMD se aliar à taiwanesa TSMC e, juntas, as duas despontaram, com a capacidade de fabricar transistores menores.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.