Revista Exame

Essa carioca viu a IA nascer. E usa ela para aperfeiçoar as habilidades de funcionários

A carioca Iona Szkurnik criou uma IA para mapear pontos de melhoria no desempenho da mão de obra dos clientes

Iona Szkurnik, da Education Journey: “O grande momento que estamos vivendo agora é o acesso à tecnologia de IA, que já existe há muitos anos” (Leandro Fonseca /Exame)

Iona Szkurnik, da Education Journey: “O grande momento que estamos vivendo agora é o acesso à tecnologia de IA, que já existe há muitos anos” (Leandro Fonseca /Exame)

Daniel Giussani
Daniel Giussani

Repórter de Negócios

Publicado em 26 de outubro de 2023 às 06h00.

A carioca Iona Szkurnik viu de perto a inteligência artificial (IA) florescer. Há dez anos, ela se mudou para Menlo Park, cidade da Califórnia que é um dos berços do Vale do Silício e está a poucos quilômetros da Universidade Stanford, onde ela foi fazer um mestrado em educação. O dia a dia por ali tornou ela própria uma empreendedora. Em 2020, ela fundou a Education Journey, uma plataforma de recomendação de treinamentos corporativos. A tecnologia da empresa busca analisar as competências esperadas de um funcionário e sugerir caminhos para aperfeiçoá-las. Desde cedo Iona cogitou aplicar IA no seu negócio por causa da grande quantidade de pesquisadores da tecnologia a poucos quilômetros de casa. Só para ficar numa evidência: a sede da OpenAI, startup criadora do ChatGPT comprada pela Microsoft por 10 bilhões de dólares, em janeiro deste ano, fica em São Francisco, a menos de 1 hora do Vale do Silício. Atualmente, a plataforma da Education Journey tem um robô de IA para analisar relatórios sobre o desempenho de funcionários das empresas clientes. A tecnologia sugere conteúdos para aumentar a produtividade da mão de obra. “Conseguimos personalizar como o funcionário deseja aprender: por áudio, vídeo ou texto”, diz Iona.

Educação corporativa ganha relevância

Em meio a tendências como trabalho híbrido e uso crescente de inteligência artificial nas empresas, a educação corporativa vem ganhando relevância. Em abril, por exemplo, a EXAME anunciou a aquisição da edtech carioca Witseed, uma plataforma de streaming com mais de 100 cursos de habilidades úteis nas empresas — inclusive IA. Em 2023, na esteira do alvoroço causado pelo ChatGPT, a inteligência artificial virou um dos principais pontos de desenvolvimento profissional em empresas mundo afora. Afinal, num mundo com automação crescente, como garantir uma boa interação entre humanos e máquinas no ambiente de trabalho? O fato de já utilizar a nova tecnologia dentro da ferramenta ajudou Iona a chegar a novos clientes. A demanda pela solução da Education Journey cresceu quatro vezes nos últimos 12 meses, segundo ela. “O grande momento que estamos vivendo agora é o acesso à tecnologia de IA, que já existe há muitos anos”, diz. “O que mudou agora é que as empresas estão desenvolvendo seus softwares em cima dela.”

Acompanhe tudo sobre:Revista EXAMEInteligência artificial

Mais de Revista Exame

Dress watches: IWC apresenta três modelos do Portugieser

Swarovski apresenta coleção baseada nos mistérios subaquáticos

Aplicações na adega: o vinho como investimento financeiro

A luta e o recomeço

Mais na Exame