Acompanhe:
seloRevista Exame

Hidrovias são mais baratas, mas só levam 1% da produção

O Brasil tem 50 000 quilômetros de rios navegáveis, mas transporta por eles menos de 1% da produção. A proposta do governo para mudar o quadro é turbinar mais uma estatal: a Companhia Docas do Maranhão

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Hidrelétrica Luís Eduardo Magalhães: barreira à navegação no Rio Tocantins
 (Divulgação)

Hidrelétrica Luís Eduardo Magalhães: barreira à navegação no Rio Tocantins (Divulgação)

F
Flávia Furlan

Publicado em 4 de junho de 2014 às, 06h00.

São Paulo - Antes de desaguar no rio Amazonas, ao norte do Pará, as caudalosas águas do Rio Tapajós cortam os estados de Mato Grosso e Amazonas, atravessando áreas onde se localizam algumas das principais jazidas minerais e fronteiras agrícolas em desenvolvimento no país.

Nos últimos anos, a possibilidade de transformar o Tapajós num importante canal de escoamento da produção das regiões Norte e Centro-Oeste atraiu investidores.

A Hidrovias do Brasil — empresa de navegação fluvial formada em 2010 pela associação dos grupos Pátria e Promon para transportar grãos e minérios — vai aplicar 1,3 bilhão de reais na construção de terminais fluviais nos portos paraenses de Miritituba, no município de Itaituba, no interior do estado, e Vila do Conde, em Barcarena, já no litoral.

O início da operação está previsto para a safra agrícola de 2016. “O Tapajós deverá se consolidar como uma das principais rotas de transporte do Norte brasileiro”, diz Bruno Serapião, presidente da Hidrovias do Brasil. A empresa segue os passos da Bunge, que se tornou no mês passado a primeira companhia a transportar cargas pelo Tapajós.

Os investimentos deverão somar 700 milhões de reais em portos e embarcações até 2015. Recentemente, a empresa de alimentos Cargill também anunciou a construção de um terminal próprio, a um custo de cerca de 150 milhões de reais, em Miritituba. 

O apetite desses grupos pela hidrovia parece ir, com o perdão do trocadilho, contra a corrente. Embora o país tenha sido agraciado pela natureza com aproximadamente 50 000 quilômetros de rios navegáveis — extensão semelhante à que têm Europa e Estados Unidos —, apenas 1% da produção brasileira é transportada por eles, de acordo com um levantamento da Confederação Nacional dos Transportes.

Segundo dados do Ministério dos Transportes, as hidrovias brasileiras movimentam anualmente 25 milhões de toneladas. O volume corresponde a cerca de 5% do que é transportado a cada ano apenas no Rio Mississippi, a principal hidrovia americana. 

O que tinha tudo para ser uma vantagem natural vem se transformando num caminho cheio de obstáculos. Um deles é a indefinição do governo sobre quem deve ser responsável pela construção das eclusas — uma espécie de elevador que usa a força da água para permitir a passagem das embarcações pelas hidrelétricas.

Se uma barragem é construída sem eclusa, a navegação fica interrompida. ­Hoje, a legislação determina que os projetos das usinas prevejam esse tipo de estrutura, mas não diz quando devem ser construídas e quem paga pela obra. Como as regras são vagas, a maioria das barragens é feita atualmente sem eclusa.

No Rio Tocantins, quatro hidrelétricas foram construídas ao longo de seus quase 2 400 quilômetros de extensão nas últimas quatro décadas. Apenas a mais antiga delas, a de Tucuruí, tem eclusa. Nas demais, as obras não saem do papel. É o caso da hidrelétrica Luiz Eduardo Magalhães, inaugurada em 2001 no município tocantinense de Lajeado.

Lá, a construção da eclusa, iniciada há 14 anos, parou em 2007. (A diferença do Tapajós para os demais grandes rios do país é que, até agora, seu potencial hidrelétrico permanece inexplorado — e ele continua plenamente navegável.)

Investimento público

Tramita no Congresso Nacional um projeto de lei determinando que as novas barragens sejam construídas com recursos públicos e estrutura para receber as eclusas. O Ministério dos Transportes trabalha a favor da aprovação.


“Dependendo do caso, os recursos poderiam sair do orçamento do nosso ministério ou do Ministério de Minas e Energia”, diz Eimair Ebeling, coordenador da área de projetos do Ministério dos Transportes. No governo, não há consenso em relação à proposta.

No Ministério de Minas e Energia, a avaliação é que, na prática, pode faltar dinheiro para as obras, jogando a conta para os concessionários das hidrelétricas e atrasando ainda mais os investimentos em geração de energia. 

Do ponto de vista do custo, deixar a eclusa para mais tarde não faz sentido. “Construída após a conclusão da hidrelétrica, a eclusa pode custar cinco vezes mais do que se for feita junto com a barragem”, diz Manoel Reis, ­coordenador do Centro de Excelência em Logística e Supply Chain, da Fundação Getulio Vargas.

É por isso que na Europa as empresas do setor elétrico só recebem licença para construir uma hidrelétrica se aceitarem fazer as eclusas ao mesmo tempo. O objetivo é não permitir que a navegação dos rios seja interrompida.

Atribuir ao Estado o papel de construtor e financiador das eclusas, no entanto, é mais um exemplo da tendência que o governo brasileiro tem de tentar abraçar o mundo — o que quase nunca dá certo. 

Não faltam projetos estatais sobre o que fazer com os rios. Segundo um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), há hoje no governo sete planos para a expansão das hidrovias.

“O pior é que nenhum deles tem como base estimativas de custos e projeções confiáveis do retorno dos investimentos”, diz Carlos Alvares da Silva Campos Neto, do Ipea. “Na prática, os programas governamentais são muitas vezes conflitantes e acabam não se realizando.”

O mais recente deles, do Ministério dos Transportes, prevê multiplicar por 4 a carga transportada por rio até 2031. Para isso, seria preciso um investimento anual de 1,5 bilhão de reais nos próximos 11 anos — quase seis vezes os recursos aplicados pelo governo e pelo setor privado no setor no ano passado.

O programa inclui entregar a administração das vias de navegação fluviais à Companhia Docas do Maranhão (Codomar). Criada na década de 70 para administrar o porto maranhense de Itaqui, em São Luís, a empresa perdeu sua função no ano 2000 para uma companhia de administração portuária estadual.

De lá para cá, a Codomar se tornou uma empresa portuária sem um grande porto para cuidar. A ideia é transformá-la numa espécie de estatal com poderes ampliados sobre o transporte pelos rios. “Será uma espécie de Dnit das hidrovias”, diz Ebeling, do Ministério dos Transportes.

Hoje, quem paga o preço do descuido com o transporte hidroviário é a economia brasileira, que poderia ter uma logística mais eficiente. O transporte fluvial é a alternativa de menor custo para levar cargas volumosas em grandes distâncias.

De acordo com o Ipea, transportar 1 tonelada de carga por 1 000 quilômetros de um rio custa no Brasil, em média, 45 reais — a metade do custo do transporte rodoviário e 25% menos do ferroviário. É um dinheiro que estamos deixando ir, novamente com o perdão pelo trocadilho, por água abaixo.

Últimas Notícias

Ver mais
Fenômenos da natureza causam 276 interdições em rodovias em seis meses
ESG

Fenômenos da natureza causam 276 interdições em rodovias em seis meses

Há 6 horas

Governo Lula fará novo heliponto no Planalto até para carro voador; custo é de R$ 769 mil
Brasil

Governo Lula fará novo heliponto no Planalto até para carro voador; custo é de R$ 769 mil

Há 10 horas

O plano de 100 dias da Sabesp para o pós-privatização
Exame IN

O plano de 100 dias da Sabesp para o pós-privatização

Há 13 horas

Lula se reúne com especialistas do setor elétrico um dia depois de assinar MP sobre o tema
Brasil

Lula se reúne com especialistas do setor elétrico um dia depois de assinar MP sobre o tema

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais