• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

A revista EXAME agora é carbono neutro

Em parceria com a WayCarbon, a principal publicação de negócios do país neutraliza suas emissões, da matéria-prima ao transporte
A partir deste ano, a revista impressa será carbono neutro (Getty Images/JarnoVerdonk/Mark Fox)
A partir deste ano, a revista impressa será carbono neutro (Getty Images/JarnoVerdonk/Mark Fox)
Por Rodrigo CaetanoPublicado em 23/03/2022 15:00 | Última atualização em 24/03/2022 13:00Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A EXAME foi a primeira grande publicação de negócios a criar uma editoria ESG. Foi também pioneira ao lançar o Guia EXAME de Sustentabilidade, há quase duas décadas, que se tornou a principal referência em negócios responsáveis do país. A publicação é uma das líderes da jornada em direção ao novo capitalismo, sempre na vanguarda dos movimentos empresariais em seus mais de 50 anos.

No momento em que a urgência de combater as mudanças climáticas se torna evidente, a EXAME não poderia ficar indiferente. A partir deste ano, a revista impressa será carbono neutro. Isso significa que todo o carbono emitido no processo de impressão da revista, da matéria-prima ao descarte, será compensado por meio da compra de créditos de carbono de projetos de conservação florestal na Amazônia. 

“Começamos pela revista por ser nossa fonte de emissões mais relevante”, afirma Talita Assis, especialista em meio ambiente, que lidera o projeto Amazônia em EXAME. “Mas não vamos parar por aí, o próximo passo é neutralizar o carbono de toda a operação.” A EXAME compensou toda a pegada de carbono das revistas produzidas em 2022. 

A WayCarbon, referência no Brasil em consultoria e desenvolvimento de soluções de sustentabilidade, foi a responsável pelo processo de análise da pegada de carbono. As emissões anuais da revista, considerando a tiragem por edição, são de 169 toneladas de carbono equivalente. “O mais importante é o que a empresa fará com essa informação. Ela pode atuar para reduzir ao máximo as emissões e, posteriormente, fazer a compensação residual por meio de créditos de carbono, tornando seu produto carbono neutro”, afirma Carla Leal, diretora da WayCarbon.

O projeto escolhido para fazer a compensação está localizado na região de Paragominas, no Pará. “Quando criamos o site Amazônia em EXAME, o objetivo foi aproximar nossos leitores da Amazônia e dar a essa região a importância que ela merece”, afirma Renata Faber, head de ESG da EXAME. “Ao escolher o projeto para compensar as emissões, procuramos um que ajudasse na conservação da floresta.” Os detalhes da ação podem ser acessados no site do programa Amigo do Clima (amigodoclima.com.br), utilizando o código de rastreamento AC22307.

“O ESG é parte fundamental da nossa cobertura, por isso também buscamos ser uma empresa líder em ESG”, afirma Pedro Valente, co-CEO da EXAME. “O projeto de neutralização de carbono está conectado ao nosso propósito de desenvolver as novas lideranças do capitalismo, e à nossa história. Há mais de 50 anos, a EXAME acompanha as transformações que moldam o cenário econômico global e continuará acompanhando pelos próximos séculos.” 


(Publicidade/Divulgação)