Com marketplace e uso de IA, startup MeuChope quer ser Mercado Livre das cervejarias

O capixaba Augusto Sato criou um negócio de 10 milhões de reais com uso de inteligência artificial em cervejarias

Augusto Sato, do MeuChope: dados para facilitar a expansão de microcervejarias (Divulgação/Divulgação)
Augusto Sato, do MeuChope: dados para facilitar a expansão de microcervejarias (Divulgação/Divulgação)
Maria Clara Dias
Maria Clara Dias

Repórter de Negócios e PME

Publicado em 16 de fevereiro de 2023 às 06h00.

Negócios de nicho costumam enfrentar muitos dilemas antes de virar produtos de massa. Faz sentido mudar o produto ou serviço para atingir um público mais amplo? Como adequar o volume da produção para evitar rupturas e, ao mesmo tempo, minimizar o risco de a oferta encalhar na gôndola?

O capixaba Augusto Sato aproveitou a experiência de duas décadas na organização de eventos para abrir um negócio dedicado a ajudar empreendedores de pequenas cervejarias e choperias a sair do nicho e conquistar mercados.

Sato é fundador do ­MeuChope, um marketplace dedicado a aproximar microcervejarias e distribuidoras de bebidas, donos de supermercado e outros varejistas. “Somos como um Mercado Livre, só que somente para o mercado cervejeiro”, diz ele.


De gelada, só a cerveja

Com destaque para o Carnaval, a volta dos grandes eventos é oportunidade para empresas de entretenimento e fabricantes de bebidas alcoólicas

54% dos consumidores vão frequentar blocos de rua, assistir a escolas de samba, viajar e ir a shows

40% dos consumidores pretendem consumir bebidas alcoólicas no Carnaval

Fonte: Hazo.app.


Para além de dar um canal de vendas de alcance nacional a empresas até então acostumadas a vender apenas para amigos, vizinhos e demais clientes das redondezas, o MeuChope mais recentemente passou a desenvolver tecnologias úteis para donos de cervejarias. Entre elas está uma plataforma responsável por automatizar as torneiras de chopeiras por meio de um dispositivo dotado de inteligência artificial.

Com a tecnologia, plugada a todo tipo de chopeiras, barris e até mesmo carrinhos de vendedores ambulantes, consumidores podem pagar por suas cervejas via Pix em aplicativos bancários e então fazer seu autosserviço, sem a necessidade de atendimento por vendedores. “Eliminamos o famoso cartãozinho de bar”, diz.

Com a tecnologia das válvulas autônomas, a ideia ganha corpo com o uso de dados: o MeuChope também gera relatórios para que empreendedores acompanhem, em tempo real, métricas como horários com maior demanda de consumo. A ideia é antever aumentos súbitos na demanda, como o Carnaval.

"“Ao criar uma alternativa a esses pequenos empreendedores, eliminamos a necessidade de contratações temporárias para o período.” "Augusto Sato, fundador da MeuChope

Em 2023, a startup prevê também atender organizadores de grandes eventos a fim de levar as torneiras autônomas para o grande público. A startup prevê receita de 10 milhões de reais em 2023, cinco vezes o resultado de 2022.

Acompanhe tudo sobre:CarnavalPMEsStartups

Mais de Revista Exame

Mais na Exame