• AALR3 R$ 20,13 -0.20
  • AAPL34 R$ 68,52 1.72
  • ABCB4 R$ 16,65 0.79
  • ABEV3 R$ 14,21 1.21
  • AERI3 R$ 3,75 5.04
  • AESB3 R$ 10,92 0.74
  • AGRO3 R$ 31,36 0.58
  • ALPA4 R$ 22,15 4.04
  • ALSO3 R$ 18,85 -0.79
  • ALUP11 R$ 26,51 -2.07
  • AMAR3 R$ 2,58 1.57
  • AMBP3 R$ 32,48 4.47
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,43 5.09
  • ANIM3 R$ 5,66 3.47
  • ARZZ3 R$ 81,38 2.42
  • ASAI3 R$ 16,30 3.69
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,43 4.37
  • BBAS3 R$ 37,45 -0.32
  • AALR3 R$ 20,13 -0.20
  • AAPL34 R$ 68,52 1.72
  • ABCB4 R$ 16,65 0.79
  • ABEV3 R$ 14,21 1.21
  • AERI3 R$ 3,75 5.04
  • AESB3 R$ 10,92 0.74
  • AGRO3 R$ 31,36 0.58
  • ALPA4 R$ 22,15 4.04
  • ALSO3 R$ 18,85 -0.79
  • ALUP11 R$ 26,51 -2.07
  • AMAR3 R$ 2,58 1.57
  • AMBP3 R$ 32,48 4.47
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,43 5.09
  • ANIM3 R$ 5,66 3.47
  • ARZZ3 R$ 81,38 2.42
  • ASAI3 R$ 16,30 3.69
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,43 4.37
  • BBAS3 R$ 37,45 -0.32
Abra sua conta no BTG

Startup mineira vai oferecer energia gerada em aterros para residências

Parceria entre a startup Metha Energia e a multinacional Asja irá levar energia gerada em aterro para residências pela primeira vez no Brasil
Victor Soares, cofundador da Metha Energia: plataforma conecta usinas e produtores de energia a residências (Divulgação/Metha Energia)
Victor Soares, cofundador da Metha Energia: plataforma conecta usinas e produtores de energia a residências (Divulgação/Metha Energia)
Por Luciana LimaPublicado em 08/04/2022 12:33 | Última atualização em 11/04/2022 10:58Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A Metha Energia, startup mineira de compartilhamento de energia distribuída, se juntou à multinacional Asja para levar energia gerada em aterros sanitários para o consumidor residencial pela primeira vez no Brasil. 

Com a parceria, a Metha estima que serão gerados 1,8 milhão de kWh por mês, capazes de atender 13 mil famílias a partir da usina instalada no aterro sanitário de Sabará, em Minas Gerais. 

Garanta o seu lugar entre as melhores do Brasil, entre no ranking Negócios em Expansão 2022

“Quando pensamos em energia renovável automaticamente associamos à energia solar, que é mais acessível. Mas existe uma oportunidade enorme de produzir energia por meio do lixo”, diz Victor Soares, CEO e cofundador da Metha Energia. 

Desde 2015, após uma resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), os consumidores podem produzir a sua própria energia, por meio de painéis solares ou pequenas usinas, e abater o valor das suas contas de luz. 

Tanto é que, hoje, segundo o Ministério de Minas e Energia, existem 922 mil unidades que fazem o uso da geração compartilhada de energia, principalmente, da fonte solar fotovoltaica. 

Entretanto, mesmo com as contas de luz 114% mais caras, grande parte dos consumidores não usufrui da possibilidade, uma vez que criar a própria usina ou investir em painéis solares não é algo trivial. Foi a partir desse diagnóstico que a Metha surgiu, em 2017. 

“Vimos que já existiam empresas grandes começando a atuar com geração distribuída, porém, para nós consumidores era difícil acessar esses serviços. Enquanto isso, as contas de energia só aumentavam. Percebemos aí uma oportunidade”, diz Soares. 

A saída, então, foi criar uma plataforma digital para conectar pequenas e médias usinas de geração de energia limpa (fotovoltaica, hidrelétrica e  biogás) a residências. A Metha compra os créditos de energia dos produtores e das usinas e os repassa para o consumidor final, o que resulta em um abatimento de até 15% nas contas de luz. A startup se monetiza por meio de uma porcentagem descontada dos geradores de energia durante esse processo. 

Atualmente, a empresa tem 75 mil clientes cadastrados no estado de Minas Gerais e, com a parceria com a Asja, a meta é crescer cinco vezes mais até o final do ano, expandindo a operação para outros seis estados no sudeste, centro-oeste e norte do país. 

“Por conta do custo operacional, essas usinas focam em empresas devido ao volume gasto. Porém, por meio da tecnologia, conseguimos levar o serviço também para o consumidor final que, além de tudo, consegue tangibilizar melhor de onde vem a sua energia. É uma mina de ouro”, finaliza Soares.