• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,01 -0.85
  • AERI3 R$ 3,56 -1.39
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 31,19 0.26
  • ALPA4 R$ 21,44 2.93
  • ALSO3 R$ 19,00 -0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,05 2.48
  • AMER3 R$ 21,90 -4.28
  • AMZO34 R$ 65,22 2.27
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,46 -0.43
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,08 -2.95
  • B3SA3 R$ 11,88 -1.16
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,01 -0.85
  • AERI3 R$ 3,56 -1.39
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 31,19 0.26
  • ALPA4 R$ 21,44 2.93
  • ALSO3 R$ 19,00 -0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,05 2.48
  • AMER3 R$ 21,90 -4.28
  • AMZO34 R$ 65,22 2.27
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,46 -0.43
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,08 -2.95
  • B3SA3 R$ 11,88 -1.16
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Própolis e vitamina D: venda de produtos para imunidade sobe com covid-19

Segundo levantamento feito pela rede de produtos naturais Bio Mundo, as vendas de própolis e óleo de alho cresceram, respectivamente, 835% e 690% em março
 (Divulgação/Bio Mundo)
(Divulgação/Bio Mundo)
Por Carolina IngizzaPublicado em 30/03/2020 06:00 | Última atualização em 31/03/2020 00:49Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Fora os segmentos de supermercado e farmácia, outro setor que está crescendo em meio à crise causada pelo coronavírus é o de produtos naturais. Levantamento realizado pela rede de franquias Bio Mundo mostra que a venda de itens que ajudam no fortalecimento da imunidade, como própolis, vitamina D e óleo de alho, disparou em março. 

Os dados da empresa compararam as vendas de 17 a 19 de fevereiro, antes do primeiro caso de coronavírus ser confirmado no país, com as de 16 a 18 de março. No período analisado, própolis e própolis verde tiveram aumento de venda de 835% e 680%, respectivamente. A venda de óleo de alho também disparou 690%, seguida pela de vitamina C (405%), glutamina (378%), mel (210%) e vitamina D (172%). 

No período analisado, as 105 lojas físicas da Bio Mundo estavam abrindo normalmente, mesmo dentro de shopping centers. Edmar Mothé, presidente e fundador da Bio Mundo, diz que as pessoas iam até as unidades “com certo desespero” em busca dos produtos. “Eles compravam seis unidades de cada item, para toda a família, com medo de faltar. Foi uma demanda absurda”, afirma.

Com o fechamento de muitas unidades para o público, a rede precisou focar na plataforma de e-commerce, que não tinha recebido muita atenção até então. Para dar conta da demanda, a empresa adotou um modelo de pedido por WhatsApp. Além disso, em março, foi iniciada uma parceria com o aplicativo de delivery colombiano Rappi — que está sendo firmada gradualmente por cada um dos franqueados. 

Apesar dos desafios de continuar com a operação funcionando mesmo com menos pessoas circulando nas ruas, Edmar está otimista com o futuro e empenhado em seguir atendendo os clientes. “Além dos produtos naturais, vendemos alimentos para pessoas com intolerâncias alimentares, como os celíacos, por isso precisamos continuar abertos”, diz. 

Vitamina D

Um estudo conduzido por cientistas na Universidade de Turim, na Itália, indicou que a vitamina D pode ser uma aliada para o combate à pandemia de coronavírus. Para os pesquisadores, a vitamina não é uma cura, mas sim uma ferramenta capaz de reduzir os fatores de risco da doença. A pesquisa apontou que a maioria dos pacientes hospitalizados por covid-19 observados apresentou falta da vitamina D, especialmente os idosos. 

No documento, os autores sugerem aos médicos que, junto as medidas gerais de prevenção, “garantam níveis adequados de vitamina D na população, mas sobretudo naqueles já infectados, em seus familiares, nos profissionais de saúde, em idosos frágeis, em pessoas em residências assistenciais, de quarentena e em todos aqueles que, por várias razões, não se expõem adequadamente à luz do sol”.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus: