PME

Pimenta baiana atrai empresário português

O primeiro contato de comercialização foi feito durante a Rodada de Negócios na Superbahia, em julho

Além do interesse pela produção de pimentas de Barreiras, os portugueses também estão de olho no potencial consumidor da Bahia e do Brasil (.)

Além do interesse pela produção de pimentas de Barreiras, os portugueses também estão de olho no potencial consumidor da Bahia e do Brasil (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h35.

Barreiras - Pimenta malagueta, malagueta verde, dedo de moça e pimenta de cheiro, todas cultivadas e produzidas em Barreiras, no oeste da Bahia, em breve vão estar nas mesas de famílias portuguesas.

A pimenta e o tempero baiano chamaram a atenção do empresário português Carlos Alberto Gonçalves, que participou da Rodada de Negócios, organizado pelo Sebrae durante a Superbahia - 2ª Feira e Convenção Baiana de Supermercados, Atacados e Distribuídos, realizada nos dias 19 a 21 de julho, no Centro de Convenções da Bahia, em Salvador.

Depois de um primeiro encontro com o empresário brasileiro, Pedro Ovídio Tassis, dono da Sabor & Cor, de Barreiras, o português Carlos Alberto Gonçalves disse que "imediatamente vamos iniciar uma relação de importação e exportação de produtos das nossas empresas e em seguida evoluir a curto prazo para uma parceria industrial com investimento em Barreiras".

"Já estamos trocando nossos produtos. A idéia é que a gente faça a comercialização dos azeites e vinagres produzido pelo empresário Carlos Alberto, que por sua vez vai comercializar em Portugal nossas pimentas e molhos. Posteriormente vamos estudar com o Sebrae Bahia, dentro do programa de internacionalização de empresas, um plano de negócio para uma futura associação ou sociedade com a empresa portuguesa Mendes e Gonçalves, que atua há mais de 20 anos naquele país", explica Pedro Tassis.

Além do interesse pela produção de pimentas de Barreiras, numa região agrícola com áreas de irrigação, onde a empresa Sabor & Cia já tem uma fazenda com 40 famílias trabalhando, os portugueses também estão de olho no potencial consumidor da Bahia e do Brasil, que está em crescimento, enquanto na Europa o consumo é decrescente. De acordo com o empresário português, Carlos Alberto Gonçalves, a proposta é colocar a Bahia como a porta de entrada dos seus produtos no Brasil.

O coordenador da Regional do Sebrae Bahia em Barreiras, Emerson Cardoso, disse que já conversou com o empresário Pedro Tassis, e se colocou a disposição para ajudá-lo a preparar o plano de negócio para uma futura associação da sua empresa com a companhia portuguesa.

Leia mais notícias sobre pequenas empresas
Siga as notícias do site EXAME sobre pequenas e médias empresas no Twitter
 

Acompanhe tudo sobre:BahiaEmpreendedoresEmpreendedorismoEuropaPequenas empresasPiigsPortugal

Mais de PME

ROI: o que é o indicador que mede o retorno sobre investimento nas empresas?

Qual é o significado de preço e como adicionar valor em cima de um produto?

O que é CNAE e como identificar o mais adequado para a sua empresa?

Design thinking: o que é a metodologia que coloca o usuário em primeiro lugar

Mais na Exame