PME

Incubadora da USP Leste terá foco em negócios sociais

Edital será lançado em outubro. Foco são empreendedores com projetos de inovação tecnológica na área social

Prédio da incubadora na USP Leste: investimento de R$664 mil da Secretaria de Desenvolvimento e R$516 mil da EACH (Divulgação)

Prédio da incubadora na USP Leste: investimento de R$664 mil da Secretaria de Desenvolvimento e R$516 mil da EACH (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 25 de setembro de 2012 às 11h52.

São Paulo - Até o final do mês de outubro, a Incubadora de Negócios Sociais da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP vai abrir um novo edital. Nesta nova fase, poderão se inscrever todos as pessoas interessadas em dar início a um novo negócio que tenha como característica a inovação tecnológica aplicada à área social.

Há 14 vagas disponíveis. As empresas incubadas contarão com a assessoria de pesquisadores da EACH e com a infraestrutura da Universidade. O tempo de incubação será de 6 meses, podendo ser renovado por um período de 12 meses.

De acordo com o professor Francisco Javier Sebastian Mendizabal Alvarez, coordenador da Incubadora de Negócios Sociais e docente do curso de Marketing da unidade, a incubadora iniciou suas atividades em caráter soft open (informalmente) em fevereiro de 2012.

“No final de 2011 fizemos um edital restrito para alunos, professores e funcionários da EACH”, explica Alvarez. Ele conta que o primeiro edital recebeu 35 inscrições. Destes, foram selecionados 6 projetos, que começaram na incubadora em fevereiro de 2012 e irão permanecer até o final deste mês de setembro, quando serão reavaliados. Se forem novamente aprovados, continuam na incubadora e renovam o prazo de permanência para outros 12 meses.

Primeiros projetos incubados

Nesta primeira etapa inicial, foram incubados seis projetos. O aspecto social é algo comum entre eles. Um deles é sobre o reúso de têxteis, como aparas de tecidos, visando o reaproveitamento dessa matéria-prima para o desenvolvimento de novos produtos por artesãos.


Outro projeto é na área de gerontologia. Foi proposto um sistema de integração social de idosos usando uma plataforma digital que possibilitaria a integração dessas pessoas por meio de atividades físicas, eventos, cursos, etc.

O desenvolvimento de materiais de ensino específicos para alunos com deficiência auditiva é a proposta de uma outra empresa incubada nesta primeira etapa.

Outro projeto é o ensino virtual, levando a acessibilidade e o treinamento à distância a escolas públicas e instituições, com foco em grupos de pessoas de baixa renda e associações de moradores.

A sustentabilidade e a ecologia levada a pequenas comunidades e pequenos grupos é o foco de outro projeto incubado. A ideia é o desenvolvimento de uma consultoria técnica especializada nesta área.

E o sexto projeto desta primeira etapa tem como foco a compra ativa. Trata-se de um ambiente de vendas para que pequenos comerciantes de bairros possam realizar compras coletivas de certos produtos e materiais.

Novo regimento

Segundo o professor Alvarez, o regimento da Incubadora de Negócios Sociais foi estruturado em colaboração com a Agência USP de Inovação e está em fase final de aprovação junto à Reitoria da USP. O projeto recebeu recursos de R$664 mil da Secretaria Estadual de Desenvolvimento, além de R$516 mil da EACH.

A USP já participa de um outro projeto de incubadora: o Cietec – Inovação e Empreendedorismo. O projeto foi inaugurado em abril de 1998, por meio de um convênio entre a Secretaria Estadual de Desenvolvimento, o Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (SEBRAE-SP), o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN) e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). A diferença entre a Incubadora de Negócios Sociais e o Cietec é que as empresas a serem incubadas na EACH devem ter, necessariamente, base tecnológica voltada para negócios sociais.

Acompanhe tudo sobre:EmpreendedoresEmpreendedorismoEnsino superiorFaculdades e universidadesIncubadorasPequenas empresasUSP

Mais de PME

Mais na Exame