"50 startups": em expansão acelerada, EmCasa quer reduzir perrengues na hora de trocar de casa

Fundada em novembro de 2017, EmCasa faturou faturou 18 milhões de reais – pouco mais do dobro do obtido em 2019 – e quer chegar a 50 milhões de reais neste ano

Num cenário de incertezas profundas causadas pela pandemia, uma coisa é certa: morar num lugar bacana continuará no topo das prioridades de muita gente mundo afora. Não é à toa a euforia com as startups dedicadas à facilitar a compra e venda de imóveis – as chamadas proptechs

Uma evidência é a velocidade de expansão de negócios como a EmCasa, fundada em novembro de 2017 no Rio de Janeiro com a proposta de facilitar ao máximo os perrengues da compra e venda de imóveis.

No ano passado, a empresa faturou 18 milhões de reais – pouco mais do dobro do obtido em 2019. A julgar pelo ritmo de negócios neste início de 2021, a expectativa é ultrapassar os 50 milhões de faturamento neste ano. 

“A pandemia e a quarentena anteciparam o sonho da casa própria para muita gente”, diz Gustavo Vaz, fundador da EmCasa. “Os negócios com tecnologia para facilitar essas transações, como o nosso, saíram ganhando da crise.”

Filho de uma consultora imobiliária, Vaz estagiou no ramo e depois trabalhou em startups como a Easy Taxi. Há quatro anos, juntou-se ao também engenheiro carioca Lucas Cardozo, que acumula no currículo passagens por consultorias como Bain & Company e Brasil Brokers, focada no mercado imobiliário.

Para facilitar a vida de compradores e vendedores, o trunfo da EmCasa está no tour virtual, uma tecnologia capaz de exibir imagens em 360º pelos ambientes de imóveis classificados na plataforma virtual da EmCasa. 

Praticamente desconhecida antes da pandemia, a ferramenta foi uma mão na roda a quem estava pouco disposto a furar a quarentena para visitar os imóveis dos outros. No ano passado, o tour virtual oferecido no site da EmCasa teve mais de 400.000 visualizações.  “Essa modalidade de visita chegou a representar ¼ do total de visitas mensais desde o início da pandemia”, diz Vaz.

A EmCasa ganha dinheiro de duas maneiras. Uma delas é direcionando ofertas de imóveis a públicos com alto potencial de interesse em morar neles, de acordo com uma tecnologia de algoritmos desenvolvida pela própria startup.

Além de aumentar as possibilidades de “match” entre compradores e vendedores e montar o tour virtual, a EmCasa dá orientações sobre os preços com mais chances de fazer o negócio sair do papel. Em troca, a startup cobra comissões de até 6% sobre o valor da venda.

Em outra frente de receitas, a EmCasa trabalha para bancos em busca de averiguar se a papelada de quem pede crédito imobiliário – e recebe comissões das instituições financeiras pela indicação de clientes.

Com todas essas ferramentas, o tempo médio para a negociação de um imóvel na EmCasa é de 24 dias, segundo os empreendedores da EmCasa – uma fração dos vários meses que costumam demorar geralmente essas transações. 

Por ora, a startup tem trabalhado com imóveis em bairros nobres de São Paulo e Rio de Janeiro, como Pinheiros e Botafogo, mas a expectativa dos sócios é ampliar a atuação da empresa para outras capitais nos próximos meses.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.