Acompanhe:
seloNegócios

Saída de minoritários da EDP pode ser acelerada, diz jornal

Suposta intenção da Três Gargantas de reforçar o seu poder e influenciar mais a gestão da EDP de Portugal pode acelerar a saída da Millennium, José de Mello e BES

Modo escuro

Continua após a publicidade

	A Três Gargantas --maior acionista, com 21,35 por cento da EDP--, com o apoio do presidente do conselho, quer alterar o modelo de governança do maior grupo industrial de Portugal
 (Olli Geibel/AFP)

A Três Gargantas --maior acionista, com 21,35 por cento da EDP--, com o apoio do presidente do conselho, quer alterar o modelo de governança do maior grupo industrial de Portugal (Olli Geibel/AFP)

D
Da Redação

Publicado em 4 de março de 2013 às, 12h23.

Lisboa - A suposta intenção da chinesa Três Gargantas de reforçar o seu poder e influenciar mais a gestão da EDP Energias de Portugal pode acelerar a saída de acionistas minoritários, como Millennium, José de Mello e BES, segundo afirmou um analista do BPI à imprensa portuguesa.

A Três Gargantas --maior acionista, com 21,35 por cento da EDP--, com o apoio do presidente do conselho, quer alterar o modelo de governança do maior grupo industrial de Portugal e ter uma maior influência direta na gestão da EDP, alteração que teria de ter a aprovação da assembleia geral de acionistas.

"É difícil dizer que tipo de implicações pode ter, mas o enfraquecimento da influência de alguns acionistas minoritários pode acelerar a sua saída da EDP", disseram os analistas do BPI, ao Iberian Daily desta segunda-feira.

"Lembramos que o BCP e o seu fundo de pensões, com 3,36 por cento (da EDP), José de Mello, com 4,64 por cento, e o BES, com 2,45 por cento, têm sido frequentemente apontados como candidatos a vender as suas posições", acrescentou.

Os analistas do BPI frisaram que a Iberdrola, que tem 6,79 por cento da EDP, "não está presente no Conselho Geral e de Supervisão e é mencionada como querendo vender ao preço certo, enquanto a Lieberbank, que resultou da fusão de caixas espanholas e tem 5 por cento, é também visto como possível vendedor".

"Assim, o potencial de uma maior alteração da estrutura acionista (da EDP) existe", afirmaram.

Os analistas do BPI destacaram que o impacto é neutro por agora para as ações da EDP, realçando que o poder dos chineses parece atualmente diluido com outros quatro membros do Conselho Geral e de Supervisão.

Segundo os analistas, a eliminação deste CGS e a criação de um conselho menor com o poder mais concentrado na mão do presidente do conselho e do presidente-executivo deverá servir os interesses da Três Gargantas.

Últimas Notícias

Ver mais
Os planos da Austrália para aumentar sua influência no Sudeste Asiático
Economia

Os planos da Austrália para aumentar sua influência no Sudeste Asiático

Há 6 horas

Por que o Goldman Sachs acredita que investir na China pode ser arriscado
seloMercados

Por que o Goldman Sachs acredita que investir na China pode ser arriscado

Há 8 horas

A ambiciosa meta de crescimento de 5% da China para 2024
Economia

A ambiciosa meta de crescimento de 5% da China para 2024

Há 8 horas

GPA lança follow-on mirando de R$ 500 milhões a R$ 1 bi
Exame IN

GPA lança follow-on mirando de R$ 500 milhões a R$ 1 bi

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais