• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

No Brasil, 84% percebe racismo, mas apenas 4% se considera preconceituoso

Pesquisa do Instituto Locomotiva apontam como o racismo estrutural impacta a vida dos negros no Brasil. Iniciativa foi encomendada pelo Carrefour, que divulgou compromisso antirracista
 (Getty Images/RyanJLane)
(Getty Images/RyanJLane)
Por Marina FilippePublicado em 28/04/2021 15:05 | Última atualização em 28/04/2021 15:39Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Uma pesquisa do Instituto Locomotiva encomendada pelo Carrefour com o objetivo mapear a situação da população negra no Brasil reforça a dificuldade de superar o racismo estrutural uma vez que pretos e pardos são 56% da população, mas constantemente minorizados pela sociedade.

A pesquisa realizada com 1630 entrevistados em 72 cidades do país entre os dias 15 e 20 de abril de 2021 é um dos passos da varejista em meio aos compromissos antirracistas divulgados nesta quarta-feira, 28. O primeiro ponto que indica um problema estrutural é a maior presença de negros nas classes sociais mais baixas.

 

Tal indicador faz com que a população negra utilize mais os serviços públicos de saúde e educação, tendo maior dificuldade de inserção no mercado de trabalho, especialmente nos cargos de liderança. Quando inseridos, o preconceito continua, uma vez que 52% dos trabalhadores negros já sofreram alguma discriminação. Além disso, 54% acreditam que brasileiros não reagiriam bem diante de um chefe negro.

Por esses e outros motivos, o Brasil é reconhecido pela população como um país racista, mas poucos assumem suas atitudes de preconceito racial -- e outros ainda demonstram não compreender de fato a dimensão do problema.

(Instituto Locomotiva/Reprodução)

(Instituto Locomotiva/Reprodução)

 

Por outro lado, mesmo reconhecendo a existência do racismo, a maioria ainda critica a
existência da “patrulha do politicamente correto”. "As pessoas acreditam que o racista é uma pessoa do mal e que ela própria não reproduz qualquer racismo, e alguns chegam a deslegitimar o fato de que a população negra morre simplesmente pela cor da pele", afirma Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva.

(Instituto Locomotiva/Reprodução)

Por meio da pesquisa se confirma ainda que o preconceito racial é frequente no varejo e demais ambientes públicos, uma vez que 61% dos brasileiros presenciaram uma pessoa negra (preta ou parda) sendo humilhada ou discriminada devido à sua raça/cor em lojas, shoppings, restaurantes ou supermercados. O percentual aumenta para 71% quando pretas. Além disso, 69% pessoas negras já foram seguidas por seguranças em lojas. Entre as pessoas pretas, o percentual atinge 76%. Além isso, 89% dos brasileiros reconhecem que as pessoas negras sofrem mais violência física do que as brancas.

A partir dos dados, entende-se que é dever das empresas apresentar medidas práticas e efetivas de combate ao racismo. Além de ser uma questão básica de acesso, respeito e equidade, é também importante para os negócios.

(Instituto Locomotiva/Reprodução)

"As empresas podem contribuir para a mudança ao promover o letramento racial contínuo, proteger clientes e funcionários e ter uma tolerância zero no combate ao racismo. Os números mostram que é uma questão de valor e também de estratégia de negócios. Para isto, é preciso ter diversidade na empresa e promover ações que não perpetuem a lógica da desigualdade que mantém as pessoas negras nas camadas mais pobres da sociedade", diz Meirelles.