Negócios

Lucro da Disney supera expectativas com parques abertos e streaming

Disney+, Hulu e ESPN+ -- as três plataformas de assinaturas online da empresa -- ganharam cerca de 15 milhões de novos assinantes, totalizando quase 174 milhões no trimestre

Disney+ o serviço de streaming da Disney (DISB34) (Dado Ruvic/Reuters)

Disney+ o serviço de streaming da Disney (DISB34) (Dado Ruvic/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 12 de agosto de 2021 às 21h32.

Última atualização em 13 de agosto de 2021 às 10h41.

 Os ganhos da Walt Disney Co superaram as estimativas de Wall Street para o último trimestre, conforme seus serviços de streaming captaram novos assinantes e a unidade de parques temáticos atingida pela pandemia voltou à lucratividade.

A vice-presidente financeira da Disney, Christine McCarthy, disse que olhando para frente, as reservas para os dois parques temáticos da empresa nos Estados Unidos continuam em alta, mesmo com o aumento de casos da Covid-19.

"Estamos otimistas com o crescimento do nosso setor de parques", afirmou o presidente-executivo, Bob Chapek, em uma teleconferência com analistas. Atualmente as reservas estão ultrapassando a taxa de frequência para o trimestre que terminou, disseram executivos.

O Estado da Flórida, onde fica o Walt Disney World, principal complexo de parques da marca, está no epicentro da nova onda de casos de Covid-19 nos Estados Unidos, registrando números recordes de casos e hospitalizações nos últimos dias.

A Disney está mais otimista do que outras empresas sobre o impacto da variante Delta sobre suas operações. A Southwest Airlines e a empresa de locação de casas para temporada AirBnB alertaram que o disparo no número de casos poderia atingir seus negócios.

De abril a 3 de julho, a Disney registrou um lucro de 0,80 dólar por ação, excluindo certos itens. Wall Street esperava 0,55 dólar por ação, de acordo com a projeção média de analistas consultados pela Refinitiv.

Os parques temáticos da Disney receberam mais visitantes conforme as restrições por conta da pandemia foram aliviadas. A receita para os parques temáticos cresceu pela primeira vez nos últimos cinco trimestres, atingindo 4,34 bilhões de dólares.

O lucro líquido dessa divisão, que inclui produtos de consumo, atingiu 356 milhões de dólares, ante um prejuízo de quase 1,9 bilhão de dólares um ano antes, quando muitos parques da Disney estavam fechados. Os parques dos EUA tiveram um lucro de 2 milhões de dólares, enquanto os parques internacionais tiveram um prejuízo de 210 milhões de dólares.

Disney+, Hulu e ESPN+ -- as três plataformas de assinaturas online da empresa -- ganharam cerca de 15 milhões de novos assinantes, totalizando quase 174 milhões. Disney+ tinha 116 milhões de clientes pagantes no final do trimestre, um pouco acima do consenso de 115,2 milhões de analistas pesquisados pela FactSet.

Aproveite a nova temporada de balanços para investir! Baixe o e-book gratuito "Indicadores de valor: como ler o balanço de uma empresa"

Acompanhe tudo sobre:BalançosDisneyEXAME-no-InstagramStreaming

Mais de Negócios

Depois de trazer partida ao Brasil, NFL prepara a abertura de escritório no país

Quais os erros que startups devem evitar na parceria com grandes empresas, segundo Ambev e o Itaú

Após doar produção a desabrigados, empresa gaúcha de chimia e doces vai aportar R$ 14 milhões no RS

Playcenter: como e onde será o primeiro parque sob o controle da Cacau Show

Mais na Exame