Negócios

Hospitais reduzem emissões com alimentação 'plant-based'

Ao dar preferência a refeições à base de plantas, organizações da área da saúde alcançaram resultados para diminuir a pegada de carbono

Dieta à base de plantas inclui não apenas frutas e vegetais, mas também nozes, sementes, óleos, grãos integrais, legumes e feijões (Alexander Spatari/Getty Images)

Dieta à base de plantas inclui não apenas frutas e vegetais, mas também nozes, sementes, óleos, grãos integrais, legumes e feijões (Alexander Spatari/Getty Images)

EXAME Solutions
EXAME Solutions

EXAME Solutions

Publicado em 29 de maio de 2024 às 15h00.

Última atualização em 29 de maio de 2024 às 16h22.

O ecossistema alimentar e de uso da terra é responsável por um terço das emissões globais de gases de efeito estufa (GEE), segundo dados levantados por pesquisadores do Joint Research Center da Comissão Europeia. E, por consequência, trata-se de um segmento que impacta de forma relevante as mudanças climáticas.

Atentos a isso, alguns hospitais dos Estados Unidos interessados em reduzir suas pegadas de carbono decidiram reformular a alimentação que é servida a pacientes e equipes. Foram 23 provedores de saúde comprometidos com a iniciativa, batizada de “Compromisso Coolfood”. Juntos, esses hospitais servem 31 milhões de refeições por ano.

A principal mudança foi alterar a base da alimentação. Ela passou a ser principalmente baseada em plantas, conhecida como “plant-based”. Com essa alteração, ao longo de 2022, esses 23 centros de saúde conseguiram reduzir suas emissões de gases de efeito estufa por prato de comida em 21%. O resultado está em um ritmo mais acelerado do que o necessário para alcançar a meta de 25% estabelecida pelo “Compromisso Coolfood” até 2030.

Nas 23 organizações do setor de saúde participantes do experimento, houve um aumento de 27% nos alimentos à base de plantas. Empresas de outros setores também se comprometeram com o “Compromisso Coolfood”, iniciado em 2018, totalizando 60 organizações – mas o grupo mais representativo é da área da saúde.

Dieta “plant-based” vs. alimentos "plant-based"

Uma dieta à base de plantas concentra-se em alimentos provenientes de plantas, incluindo frutas, vegetais, nozes, sementes, óleos, grãos integrais, legumes e feijões. Ter uma alimentação à base de plantas não significa ser vegetariano ou vegano e nunca consumir carne ou laticínios. É uma escolha individual por ter uma proporção maior de alimentos de fontes vegetais na dieta.

Enquanto isso, os produtos plant-based atendem à demanda por opções alimentares que utilizam vegetais para recriar o sabor e a textura das proteínas animais.

Acompanhe tudo sobre:Alimentação

Mais de Negócios

Franquia ou um negócio próprio: qual compensa mais? Especialista tem a resposta

Como uma startup organizou uma vaquinha de R$ 76 milhões para o Rio Grande do Sul

Os engenheiros da saúde: como essa startup quer evitar perdas financeiras nos hospitais

IBM aposta em padrões abertos para incentivar o uso em escala da IA

Mais na Exame