Negócios

Ghosn se livra de processo no Líbano em caso envolvendo visitas a Israel

Segundo a Bloomberg, o ex-presidente da Nissan foi processado logo depois de chegar ao país

Carlos Ghosn: processo foi extinto (Mohamed Azakir/Reuters)

Carlos Ghosn: processo foi extinto (Mohamed Azakir/Reuters)

JE

Juliana Estigarribia

Publicado em 3 de novembro de 2020 às 15h56.

Última atualização em 3 de novembro de 2020 às 21h32.

A Justiça do Líbano extinguiu um processo contra Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan, que foi impetrado poucos dias após o executivo chegar ao país, informou a Bloomberg no início da tarde desta terça-feira, 03.

Ghosn protagonizou uma fuga espetacular do Japão, onde aguardava julgamento por acusação de crimes financeiros.

Logo que chegou ao Líbano, um grupo de advogados apresentou uma ação contra o executivo, alegando que as visitas de Ghosn a Israel quando ele era presidente da Renault e, posteriormente, da Nissan, violaram as leis que proíbem cidadãos de interagir com o país vizinho.

Conforme a Bloomberg, o juiz do caso afirmou que o Judiciário não pode processar Ghosn porque ele cometeu o crime há mais de 10 anos.

O fim do processo representa uma preocupação a menos para Ghosn,  que é considerado foragido pela justiça japonesa e que também estaria enfrentando uma "perseguição" por parte da Nissan, segundo palavras do próprio executivo.

Em maio, a Justiça dos Estados Unidos prendeu dois homens acusados de ajudar Ghosn a fugir do Japão. Pai e filho são procurados pelas autoridades japonesas, que inicialmente emitiram mandados de prisão para ambos em janeiro deste ano.

Acompanhe tudo sobre:Carlos GhosnNissanRenault

Mais de Negócios

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Baré, Fruki, Coroa, Jesus: conheça os refrigerantes de guaraná que bombam pelos estados do Brasil

De gravadora a companhia aérea: conheça Richard Branson, o bilionário que inspira os donos da Cimed

Mais na Exame