Esta empresa captou R$ 560 mi e quer acabar com "achismo" em campanhas de marketing digital

O negócio da VidMob emprega inteligência artificial para decodificar tudo num vídeo publicitário capaz de chamar a atenção de quem está vendo o material nas redes sociais (e numa telinha de celular)
Miguel Caeiro, head da operação da VidMob para América Latina: "Nossa receita cresceu 4x por ano na América Latina há pelo menos dois anos" (Marco Pinto/Divulgação)
Miguel Caeiro, head da operação da VidMob para América Latina: "Nossa receita cresceu 4x por ano na América Latina há pelo menos dois anos" (Marco Pinto/Divulgação)
Leo Branco
Leo Branco

Publicado em 19/08/2022 às 13:32.

Última atualização em 19/08/2022 às 15:15.

A presença ostensiva das redes sociais no dia a dia das pessoas mudou por completo a maneira de fazer publicidade e de ganhar dinheiro nesse mercado.

Um exemplo disso é a pujança de negócios de tecnologia em marketing — as chamadas martechs.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

Nesta semana, uma das principais martechs do mundo, a americana VidMob anunciou a captação de US$ 110 milhões (o equivalente a R$ 560 milhões) numa rodada série D com cheque alto incomum nesses tempos de escassez de recursos para startups, unicórnios e afins.

Participaram do aporte negócios ligados à indústria criativa presentes em rodadas anteriores da empresa: Adobe, Shutterstock, BuildGroup e Spruce House.

A novidade é a entrada do fundo Shamrock Capital, venture capital focado em negócios da indústria criativa com dinheiro do family office de Roy E. Disney, sobrinho de Wall Disney.

O negócio da VidMob emprega inteligência artificial para decodificar tudo num vídeo publicitário capaz de chamar a atenção de quem está vendo o material nas redes sociais (e numa telinha de celular).

O que faz a VidMob

A tecnologia própria da VidMob cataloga imagens e sons captados frame a frame de um vídeo e, com base na análise de uma quantidade colossal de dados de vídeos publicitários, consegue mensurar no detalhe o que chama a atenção numa rede social.

É, provavelmente, a informação mais importante para um diretor de criação de publicidade hoje em dia, diz Miguel Caeiro, head da operação para América Latina da VidMob.

"Empregamos inteligência artificial para transformar uma peça criativa numa montanha de dados", diz Caeiro. "A ideia é acabar com o achismo na tomada de decisão sobre a estratégia de uma empresa nas redes sociais."

O assunto é da ordem do dia numa época de pessoas grudadas nas redes sociais — e bombardeadas de estímulos por todos os lados.

"Por dia, os dedos das pessoas 'scrollam' em média 300 metros na tela dos seus celulares", diz Caeiro. "Ouso dizer que na pandemia esse número chegou aos 2 quilômetros. Se destacar no meio disso tudo está muitod difícil."

Como é o modelo de negócios da VidMob

A VidMob ganha dinheiro com a venda de assinaturas de um software na nuvem por meio do qual clientes podem ver estatísticas sobre o desempenho de campanhas de marketing nas redes sociais.

Em paralelo, consultores da martech podem orientar clientes sobre o que fazer para uma campanha bombar. Ou, ainda, criar o vídeo para o cliente com base no que os dados têm a dizer.

Com esse modelo de negócios, a VidMob está bombando na América Latina e, sobretudo, no Brasil.

"Nossa receita cresceu 4x por ano na América Latina há pelo menos dois anos", diz Caeiro.

Quem são os clientes

Alguns cases da VidMob por aqui:

  • Hyundai: a VidMob sugeriu um filtro de realidade aumentada para fãs da montadora no Instagram descobrirem detalhes do novo modelo do Creta. Mais de 65 mil pessoas usaram o filtro
  • Sanofi: a martech analisou postagens da farmacêutica para divulgar o analgésico Dorflex nas redes sociais. A partir da análise dos dados, a martech sugeriu vídeos mais curtos, de até 6 segundos, para aumentar o engajamento. A medida aumentou o CTR, indicador de taxa de cliques em 475%; as curtidas subira, 217%.
  • Johnson & Johnson: uma análise de 16 anúncios da campanha digital + Juntos da Johnson's Baby identificou pontos de melhoria em vídeos para as redes sociais aumentou em 29% a taxa de cliques, 75% as interações e 19% o engajamento dos anúncios. Ao total eles tiveram 38 milhões de impressões.

Fundada em 2014, a martech é comandada pelo fundador, o americano Alex Collmer, profissional com experiência diversa em marketing — ele é um dos board members do Ad Council, uma das associações de classe mais relevantes nos Estados Unidos para os setores de marketing e publicidade.

Quanto a empresa já captou

Antes do aporte dessa semana, a VidMob já havia captado:

  • US$ 7,5 milhões numa série A em novembro de 2017
  • US$ 25 milhões na série B em junho de 2019
  • US$ 26,7 milhões em dezembro de 2020
  • US$ 50 milhões na série C em 2021

Os recursos do aporte desta semana serão utilizados em boa medida para acelerar a expansão internacional — e o Brasil deve ser um das prioridades nesta etapa.

"Os brasileiros são ávidos pelas redes sociais, que já sabem disso e fazem daqui um laboratório para novas funcionalidades delas", diz Caeiro. "Isso sem falar na escala enorme do mercado publicitário brasileiro, bem como a alta qualidade dos profissionais daqui."

VEJA TAMBÉM:

Como a startup DNA Conteúdo cresceu 47% em 2021 com 'edutainment'

De Maceió para o mundo: franquia de açaí fatura R$ 180 milhões e está em nove países

Casai e Nomah fundem negócios de "short term rentals" e miram presença em toda a América Latina