Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:
seloNegócios

Empresas de viagens buscam mais fundos para sobreviver à pandemia

Companhias aéreas, sites de passagens, empresas de cruzeiro e até redes de cinema buscam mais fundos para enfrentar crise do turismo global

Modo escuro

Londres (Richard Heathcote/Getty Images)

Londres (Richard Heathcote/Getty Images)

J
Jacqueline Poh, Bloomberg

Publicado em 11 de janeiro de 2021, 09h06.

Empresas do setor de viagens e lazer planejam uma nova rodada de acordos de financiamento para a pandemia em meio à nova onda de lockdowns para controlar os casos de coronavírus que abalam o turismo global. Pelo menos quatro grandes empresas fizeram propostas para investidores em busca de fundos extras e revisões de cláusulas desde o início do novo ano.

Entre elas está a varejista online de passagens de trem Trainline, que busca levantar 150 milhões de libras (US$ 204 milhões) com a venda de títulos conversíveis sem garantia, bem como estender uma renúncia (waiver) para cláusulas financeiras. A empresa do Reino Unido havia obtido uma renúncia para uma linha rotativa de 350 milhões de libras em abril do ano passado.

A Carnival também alterou cláusulas para sua linha rotativa existente com o objetivo de obter maior flexibilidade financeira após anunciar o cancelamento de viagens oferecidas por sua principal linha de cruzeiro. A empresa de Miami revisou as cláusulas pela primeira vez em outubro do ano passado.

Companhias aéreas como British Airways e a australiana Qantas Airways também buscam novos fundos à medida que restrições às viagens aéreas globais afetam as receitas. A BA negocia 2 bilhões de libras em novos empréstimos, enquanto a Qantas vai estender o escopo de um empréstimo existente de 600 milhões de dólares australianos (US$ 466 milhões).

Dinheiro novo

Enquanto isso, a AMC Entertainment, maior rede de cinemas do mundo, negocia dinheiro novo para enfrentar a pandemia.

Ações de empresas de viagens e lazer foram o subgrupo com o pior desempenho na Europa na quinta-feira: as ações da Trainline caíram 9,2%, enquanto os papéis da IAG, controladora da British Airways, perderam 4%. As ações da Ryanair se desvalorizaram 3,4%. A operadora de baixo custo reduziu os voos de inverno na sequência de lockdowns mais rígidos devido à Covid-19 no Reino Unido.

No ano passado, empresas globais levantaram mais de US$ 430 bilhões em novos empréstimos e usaram pelo menos US$ 340 bilhões em linhas de crédito existentes para enfrentar a pandemia. Os credores do mundo todo receberam quase 500 pedidos de renúncia e revisões de cláusulas.

--Com a colaboração de Beth Mellor.

Últimas Notícias

ver mais
Dia dos Namorados: estas 6 dicas vão ajudar sua empresa a vender mais na data
seloNegócios

Dia dos Namorados: estas 6 dicas vão ajudar sua empresa a vender mais na data

Há 10 horas
Na era das deepfakes, QI Tech aprimora reconhecimento facial para evitar golpes
seloNegócios

Na era das deepfakes, QI Tech aprimora reconhecimento facial para evitar golpes

Há 10 horas
Conheça Ryan Breslow, um dos dez bilionários mais jovens do mundo, único não herdeiro
seloNegócios

Conheça Ryan Breslow, um dos dez bilionários mais jovens do mundo, único não herdeiro

Há 12 horas
Elon Musk ultrapassa Bernard Arnault e se torna a pessoa mais rica do mundo
seloNegócios

Elon Musk ultrapassa Bernard Arnault e se torna a pessoa mais rica do mundo

Há um dia
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais