Negócios

Candidata à presidência do México planeja copiar modelo da Petrobras

Josefina Vázquez Mota elogiou abertura de capital da empresa e disse que modelo seria uma opção para a Pemex

Abertura de capital da Petrobras é um exemplo que poderia ser seguido pela Pemex (EXAME/Arquivo)

Abertura de capital da Petrobras é um exemplo que poderia ser seguido pela Pemex (EXAME/Arquivo)

DR

Da Redação

Publicado em 20 de maio de 2012 às 15h47.

Sahuayo (México), 20 mai (EFE).- A candidata à presidência do México Josefina Vázquez Mota qualificou como um 'modelo muito inspirador' o da abertura de capital da Petrobras e disse que o mesmo poderia servir para a Petróleos Mexicanos (Pemex).

'Eles chegaram inclusive a capitalizar parte das ações sem perder o controle da empresa, e eu acho que este pode ser um destino para Pemex', afirmou em entrevista à Agência Efe a candidata do conservador Partido Ação Nacional (PAN).

Vázquez destacou a evolução que a empresa brasileira teve desde que começou a privatizar seu capital. 'O que Petrobras alcançou ao longo dos anos foi um exemplo muito importante de como uma empresa deficitária se transformou em uma instituição sólida'.

Ex-ministra e ex-parlamentar, Vázquez Mota, de 51 anos, é a segunda colocada nas pesquisas eleitorais para as eleições de 1º de julho, atrás do candidato do Partido Revolucionário Institucional (PRI), Enrique Peña Nieto.

A exploração petrolífera no México está a cargo da Pemex, uma das principais fontes de geração de divisas do país (o quarto produtor mundial de petróleo). A companhia é inteiramente estatal.

Embora a Constituição mexicana estabeleça a proibição de outorgar concessões petrolíferas a particulares, uma reforma legislativa de 2008 abriu a possibilidade que Pemex assinasse este tipo de contratos, sob um regime de compensação.

Só a partir de 18 de agosto de 2011 a Pemex começou a licitar a iniciativa privada a exploração de campos petrolíferos, em processo muito lento que despertou críticas dos que querem impulsionar a essa companhia.

Segundo Vázquez Mota, a empresa necessita investimentos para missões como a prospecção em águas profundas, tecnologia e pesquisa.

'No caso de Pemex é urgente que ela se modernize. Precisamos fazer dela uma empresa de classe mundial', insistiu Vázquez Mota.

A candidata citou como exemplo a situação 'muito lamentável' gerada pela publicação de fotos polêmicas da filha do líder do sindicato da Pemex, Carlos Romero Deschamps. Nas imagens, a filha do dirigente, Paulina Romero, aparece viajando em aviões privados, em hotéis de luxo e a bordo de um iate.

'Nos indigna e nos lastima, quando temos verdadeiramente um problema com tantos desafios, com milhões de pessoas na pobreza', afirmou Vázquez Mota.

Carlos Romero Deschamps é candidato a senador pelo PRI. O principal adversário de Vázquez, Peña Nieto afirmou neste sábado que Romero é um dirigente trabalhador que 'tem o respeito de seu sindicato'. EFE

Acompanhe tudo sobre:América LatinaCapitalização da PetrobrasCombustíveisEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEmpresas mexicanasEstatais brasileirasIndústria do petróleoMéxicoPemexPetrobrasPetróleo

Mais de Negócios

11 franquias baratas para trabalhar sem funcionários a partir de R$ 2.850

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Ligadona em você: veja o que aconteceu com a Arapuã, tradicional loja dos anos 1990

Mais na Exame