Acompanhe:
seloNegócios

Butantan negocia venda da Coronavac para países da América do Sul

Segundo Dimas Covas, o Butantan tem outros clientes além do ministério para a Coronavac, que foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac

Modo escuro

Continua após a publicidade
Coronavac: O Butantan encerrou neste mês o contrato que tinha com o Ministério da Saúde para entrega de 100 milhões de doses da Coronavac (Eduardo Frazão/Exame)

Coronavac: O Butantan encerrou neste mês o contrato que tinha com o Ministério da Saúde para entrega de 100 milhões de doses da Coronavac (Eduardo Frazão/Exame)

R
Reuters

Publicado em 29 de setembro de 2021 às, 15h17.

Última atualização em 29 de setembro de 2021 às, 15h32.

O Instituto Butantan negocia a venda de doses da vacina contra covid-19 Coronavac para países da América do Sul e da África, anunciou nesta quarta-feira o presidente da instituição, Dimas Covas

Em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado, Covas foi indagado como ficaria a fábrica que está sendo construída pelo instituto para a produção 100% nacional da Coronavac, uma vez que o Ministério da Saúde não firme acordos para comprar mais doses da vacina.

Segundo ele, o Butantan tem outros clientes além do ministério para a Coronavac, que foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e que está sendo envasada no Brasil pelo Butantan.

"O Butantan já tem outros clientes. Tem contrato com os estados, já em andamento com entrega de doses, e também tratativas com países, aqui da América do Sul e também países da África", disse Covas.

"Ainda hoje [nesta quarta], na manhã de hoje, eu tive uma reunião executiva com o vice-presidente da Sinovac exatamente reforçando o compromisso do Butantan e da Sinovac ajudarem o mundo no combate a essa pandemia", acrescentou.

O Butantan encerrou neste mês o contrato que tinha com o Ministério da Saúde para entrega de 100 milhões de doses da Coronavac ao Programa Nacional de Imunização (PNI) e iniciou a entrega de doses diretamente a estados, como Piauí, Pará e Espírito Santo.

Uma fábrica para produção 100% local da vacina está sendo construída na sede do instituto em São Paulo e a expectativa é que ela comece a operar em escala completa no início do ano que vem. Enquanto isso, o Butantan trabalha no envase de doses da vacina com insumos importados da China.

A Coronavac, que começou a ser aplicada no Brasil em janeiro, tem autorização para uso emergencial dada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas o Butantan ainda não enviou ao órgão regulador um pedido de registro definitivo no Brasil para o imunizante.

A Anvisa já alertou que a autorização para uso emergencial vale apenas enquanto vigorar a declaração de calamidade em saúde provocada pela pandemia de covid-19.

  • Quer saber tudo sobre o ritmo da vacinação contra a covid-19 no Brasil e no Mundo? Assine a EXAME e fique por dentro.

Últimas Notícias

Ver mais
Rússia aumenta influência na África com "pacote de sobrevivência" a governos
Mundo

Rússia aumenta influência na África com "pacote de sobrevivência" a governos

Há um dia

Vacina da Dengue: Saúde envia nova leva e oferta deve começar até 2ª semana de março; veja locais
Brasil

Vacina da Dengue: Saúde envia nova leva e oferta deve começar até 2ª semana de março; veja locais

Há um dia

Governo vai enviar vacinas contra dengue para mais 29 municípios
Brasil

Governo vai enviar vacinas contra dengue para mais 29 municípios

Há 2 dias

Egito, Nigéria e África do Sul disputam posto de maior economia da África
seloRevista Exame

Egito, Nigéria e África do Sul disputam posto de maior economia da África

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais