A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Butantan negocia venda da Coronavac para países da América do Sul

Segundo Dimas Covas, o Butantan tem outros clientes além do ministério para a Coronavac, que foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac

O Instituto Butantan negocia a venda de doses da vacina contra covid-19 Coronavac para países da América do Sul e da África, anunciou nesta quarta-feira o presidente da instituição, Dimas Covas

Em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado, Covas foi indagado como ficaria a fábrica que está sendo construída pelo instituto para a produção 100% nacional da Coronavac, uma vez que o Ministério da Saúde não firme acordos para comprar mais doses da vacina.

Segundo ele, o Butantan tem outros clientes além do ministério para a Coronavac, que foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e que está sendo envasada no Brasil pelo Butantan.

"O Butantan já tem outros clientes. Tem contrato com os estados, já em andamento com entrega de doses, e também tratativas com países, aqui da América do Sul e também países da África", disse Covas.

"Ainda hoje [nesta quarta], na manhã de hoje, eu tive uma reunião executiva com o vice-presidente da Sinovac exatamente reforçando o compromisso do Butantan e da Sinovac ajudarem o mundo no combate a essa pandemia", acrescentou.

O Butantan encerrou neste mês o contrato que tinha com o Ministério da Saúde para entrega de 100 milhões de doses da Coronavac ao Programa Nacional de Imunização (PNI) e iniciou a entrega de doses diretamente a estados, como Piauí, Pará e Espírito Santo.

Uma fábrica para produção 100% local da vacina está sendo construída na sede do instituto em São Paulo e a expectativa é que ela comece a operar em escala completa no início do ano que vem. Enquanto isso, o Butantan trabalha no envase de doses da vacina com insumos importados da China.

A Coronavac, que começou a ser aplicada no Brasil em janeiro, tem autorização para uso emergencial dada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas o Butantan ainda não enviou ao órgão regulador um pedido de registro definitivo no Brasil para o imunizante.

A Anvisa já alertou que a autorização para uso emergencial vale apenas enquanto vigorar a declaração de calamidade em saúde provocada pela pandemia de covid-19.

  • Quer saber tudo sobre o ritmo da vacinação contra a covid-19 no Brasil e no Mundo? Assine a EXAME e fique por dentro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também